menu
Topo

Universa

Modelo que perdeu perna por causa de absorvente interno pode perder a outra

Reprodução/Instagram
A modelo Lauren Lauren Wasser, que teve síndrome do choque tóxico Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL

21/12/2017 13h05

Em 2012, aos 24 anos, a modelo americana Lauren Wasser contraiu a síndrome do choque tóxico, por causa de um absorvente de uso interno.

Leia também:

Testamos alternativas ao absorvente (inclusive na hora do sexo!)

Calendário menstrual: como usar as 4 fases da menstruação para viver melhor

55% das brasileiras não gostam de menstruar todo mês, aponta pesquisa 

A síndrome é uma complicação potencialmente fatal de certas infecções bacterianas. Entre os fatores de risco para a doença estão cirurgia recente, feridas abertas e uso dos já citados absorventes internos.

Quando apresentou o problema, Lauren apresentou sintomas de uma gripe comum, como febre alta e dor de cabeça. Ao chegar no hospital, constatou-se que os rins dela estavam começando a falhar e ela teve um ataque do coração.

A garota só começou a melhorar quando os médicos descobriram que ela estava usando o absorvente e o removeram.

Mesmo assim, ela teve de amputar a perna direita, afetada pela grave infecção.

Síndrome rara

Cinco anos após a fatalidade, Lauren ainda sofre dores insuportáveis na perna esquerda. Para o jornal "Whashington Post", ela disse achar inevitável que o membro tenha de ser amputado também.

A síndrome do choque tóxico é rara. No Brasil, são menos de 15 mil casos por ano. Ainda mais rara é que seja causada por absorventes internos.

Para o site da revista "Women's Health", a ginecologista e obstetra Sherry Ross, do centro de saúde Providence Saint John's, para minimizar riscos, os absorventes devem ser trocados entre quatro e oito horas de uso.

Para afastar ainda mais a chance de contrair a síndrome, ela sugere alternar, a cada ciclo, o uso desse tipo de absorvente com outros.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa