menu
Topo

Relacionamentos

40 anos após a lei do divórcio, elas falam sobre preconceito e julgamento

Adriana Nogueira

Do UOL

20/12/2017 04h00

Até 1977, o casamento era indissolúvel no Brasil. Foi só com a emenda constitucional 9, do citado ano, de autoria do senador Nelson Carneiro, que se tornou possível terminar um casamento.

No entanto, para aplacar a ira de setores conservadores da sociedade, especialmente aqueles ligados à Igreja Católica, a emenda foi aprovada com uma série de restrições.

Leia também:

Divórcio online: Casal poderá se separar pela internet no Reino Unido

Ex-casais fazem "selfie de divórcio" e mostram que separação pode ser fofa

'Depressão pós-casamento' não é motivo para divórcio; saiba resolver

Repercussão assusta, mas mulher indica ensaio de divórcio: "Uma libertação"

Para conseguir o divórcio, era preciso, primeiramente, ter se separado judicialmente há mais de três anos ou estar separado de fato por mais de cinco.

O casamento terminava com a separação judicial, mas só se dissolvia com o divórcio.

As vozes contrárias ao divórcio diziam que ele dissolvia a família, reduzia a natalidade, aumentava o aborto e a criminalidade, comprometia a educação dos filhos, pela ruína da autoridade paterna e da piedade filial.

Do ponto de vista legal, os últimos anos foram de avanço. Tanto que, desde 2007, é possível se divorciar em cartório, desde que o casal esteja de acordo com os termos da separação e não tenha filhos menores de 18 anos.

Mas será que a sociedade avançou sobre a percepção da mulher divorciada? Para responder essa questão, o UOL entrevistou três mulheres que se divorciaram em períodos distintos. No vídeo acima, elas falam sobre como foi a experiência do divórcio.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!