menu
Topo

Universa

"Não queria filho veado": a trajetória de um pai e a filha trans de 6 anos

Arquivo pessoal
Anderson de Almeida: "Sou lutador e fui criado numa família tradicional onde homem é homem e mulher é mulher" Imagem: Arquivo pessoal

Bárbara Therrie

Colaboração para o UOL

15/12/2017 11h32

Aos 2 anos de idade, Murilo, que hoje se chama Carolina, 6, deu os primeiros sinais de que gostava do universo feminino. “Ele nasceu menina no corpo de um menino, ser transgênero nunca foi uma escolha”, diz o pai, Anderson de Almeida, 43, que no início do processo era agressivo e tinha vergonha por achar que o filho era gay. Nesse depoimento, o empresário, que ora se refere ao filho como Murilo, e outras vezes como a filha Carol, conta os desafios da família e como é a vida pós-transição de gênero: “Ela é uma criança mais feliz”.

“Eu e minha esposa notamos um comportamento diferente na Carol quando ela tinha 2 anos. Ela colocava fralda de pano na cabeça para fingir que tinha o cabelo comprido, mas eu tirava e forçava ela a brincar de carrinho. Quando visitávamos meu irmão, ela ficava encantada com os brinquedos, as bonecas e as tiaras da prima, pulava de um lado para outro. Eu me isolei e parei de ir na casa dos meus amigos e familiares porque eu morria de vergonha por achar que eu tinha um filho gay, que gostava de coisa de menina.

Veja mais

A Carolina adorava pegar as roupas da mãe. Na tentativa de impedi-la, eu coloquei uma fechadura e tranquei o quarto. Ela se mostrou uma criança muito criativa. Um dia, ela pegou uma camiseta comprida do irmão mais velho, amarrou com um cinto e fez de vestido. Ela sempre tinha um detalhe feminino em tudo o que vestia. Teve uma vez que ela achou um guardanapo rosa no chão, fez de lenço e colocou no bolso da camisa. 

Xingava e batia no meu filho, ele se escondia com medo

Quando o Murilo apresentou esses trejeitos afeminados, eu culpei a minha esposa e fiquei uma semana em casa, sem ir trabalhar, para descobrir se ela estava o influenciando,. Nós quase nos separamos. Ela chorava e dizia que não, que nunca havia o incentivado. Assim como eu, minha mulher também se incomodava com aquela situação, mas pedia a Deus sabedoria para entender nosso filho e dizia que não iria repreendê-lo, pois já via o sofrimento que eu causava.

Eu xingava e batia nele quando ele tinha 3 anos. Ele corria e se escondia com medo. Eu me arrependo e me emociono, porque sei que fui um pai mau para ele. Eu tratava bem os meus outros dois filhos.

Naquela época, eu não compreendia o que estava acontecendo, sofri demais. Sou lutador e fui criado numa família tradicional onde homem é homem e mulher é mulher. Eu não tinha amor, só tinha um rótulo que era assim: nasceu com pinto é menino, nasceu com vagina é menina. Eu não queria ter filho ‘veado’ em casa. Só depois eu aprendi que identidade de gênero não tem nada a ver com orientação sexual. E que transgênero é a pessoa que não se identifica com o sexo e com corpo em que nasceu. 

Falaram que minha filha tinha um espírito obsessor

Ao obrigar minha filha a ser o que ela não queria, ela se tornou uma criança agressiva, introspectiva, não falava com ninguém, batia em todo mundo, xingava e cuspia. Cheguei a pensar que ela tinha alguma doença, busquei ajuda na religião. Alguns familiares me falaram que ela tinha um espírito obsessor, outros me orientaram a levá-la na igreja para tirar o demônio do corpo dela.

Minha esposa dizia que sentia no coração de mãe que a Carol não era gay, que havia algo a mais e ela precisava descobrir. Sem informação, ela pesquisou na internet relatos de meninos que gostavam de roupas femininas e foi se familiarizando com o conceito de transgênero. Ao assistir uma reportagem na TV, ela ficou sabendo que o Hospital das Clínicas tinha um grupo que tratava crianças trans.

‘Eu quero acordar menina, quero ser princesa’

Minha mulher marcou uma consulta e iniciamos o tratamento com a equipe do psiquiatra Alexandre Saadeh. Teve início o processo de transição da Carol, que na época tinha 4 anos. Nós fizemos um trato. Em casa, ela poderia se vestir de menina, fora, ela deveria ser o Murilo. Com o tempo, a Carol foi lutando para ser o que ela queria. Um dia, ao colocá-la para dormir, ela disse: ‘Papai, eu quero acordar menina, quero ser princesa, não aguento mais ser desse jeito’.Eu chorei e pedi desculpas a ela e à minha esposa, que sempre foi uma supermãe.

Em julho de 2016, a Carol assumiu o gênero feminino. Compramos vestidos, saias, blusas sandálias. Ela deixou o cabelo crescer, passou a se maquiar e a pintar as unhas. Ela é muito vaidosa e todos os dias se olha no espelho e diz que é linda. Ela mesmo escolheu seu nome feminino e adora brincar de boneca com as amigas. Quando alguma delas pergunta se ela é menino por ter ‘pipi’, ela explica que não, que é menina. Recebemos apoio dos amigos, familiares e vizinhos.

Temos medo que ela seja maltratada

Até hoje, ela nunca foi vítima de bullying, mas sabemos que o preconceito velado existe. Temos medo que ela seja maltratada, agredida ou xingada por ser trans. Explicamos que ela não deve ser agressiva com quem a tratar mal. Se ela ouvir algo que não goste, ela não deve brigar, deve dizer que a família dela a ama, e ir embora. Nós a criamos para que ela saiba se defender com sabedoria.

Minha filha me ensinou a ser um pai de família. Com ela, eu aprendi o que é o amor e o respeito. Hoje estou livre de rótulos e preconceitos. É importante que os pais ouçam seus filhos e deixem eles ser o que eles quiserem. Minha família sofreu muito por falta de informação, por esse motivo estou fundando a Associação das Famílias de Transgêneros. O Murilo nasceu menina no corpo de um menino, ser trans nunca foi uma escolha. Hoje, aos 6 anos, a Carol é uma menina maravilhosa e uma criança espontânea, carismática, alegre e mais feliz”.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa