menu
Topo

Universa

Maria Clara Spinelli sobre transfobia: "Como se minha mãe sofresse também"

Luís Crispino/Divulgação
Maria Clara Spinelli para a Claudia de dezembro Imagem: Luís Crispino/Divulgação

do UOL, em São Paulo

01/12/2017 16h46

Depois de papeis nas novelas "Salve Jorge", "A Força do Querer" e na série "Supermax", Maria Clara Spinelli ganhou não apenas visibilidade diante do grande público, mas abriu espaço para ampliar a discussão dos direitos trans e contar as histórias da comunidade, da qual também é parte.

"Não só eu ganhei voz [ao participar da novela]. Artistas como Pabllo Vittar e As Bahias e a Cozinha Mineira mereceram destaque também. Não fomos descritos como vítimas, mas como trabalhadores que obtiveram reconhecimento”, disse a atriz à revista "Claudia" de dezembro, da qual é uma das estrela de capa.

Veja também

Plataformas com proporções semelhantes às da tevê para debater os direitos e a identidade LGBT são importantes para quem se entende trans. "As minorias descobrirão que reúnem muitas pessoas e não estão isoladas".

Para ela, este entendimento pode ser transformador para a saúde mental de quem é trans. “Somos batalhadores, olhamos para as nossas dores e queremos fazer algo melhor, curá-las”.

Maria Clara também acredita no poder de educar que a mídia — e ela mesma, enquanto pessoa pública — têm de educar a população para respeitar e evitar a violência contra os LGBT. "Levo as lutas até a última instância. Se eu perder, terei tentado tudo. No caminho, quem sabe, tocarei algumas pessoas".

A atriz se diz tocada pessoalmente por cada notícia de agressão contra gays, lésbicas e transgêneros. "É como se minha mãe estivesse sofrendo também". E observa que há violências que não são apenas físicas. "Não se pode perguntar à pessoa trans o nome anterior nem questionar se já fez cirurgia”, finaliza.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa