Topo

Mães e filhos

Ivete Sangalo, grávida de gêmeas, não larga a academia; toda gestante pode?

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Denise de Almeida

Do UOL

10/11/2017 08h28

Ivete Sangalo, grávida de gêmeas e com 5 meses de gestação, não larga a academia. A cantora tem postado com frequência sua rotina de exercícios, e o barrigão das filhas parece nem atrapalhá-la nos treinos.

Vale lembrar que pique nunca foi problema para Ivete. Só no último Carnaval, a cantora comandou trios elétricos, abriu e fechou desfile de escola de samba na Sapucaí e ainda curtiu a festa na chamada "pipoca", em Salvador.

Mas será que qualquer grávida pode fazer igual e sair malhando? Para o ginecologista e obstetra Élvio Floresti, isso vai depender da liberação do médico e de como era a rotina da mulher antes da gestação.

"É até bom que se faça atividade física de leve a moderada, mas tudo depende de como ela está acostumada. Já tive paciente que, com 21 semanas de gestação, fez uma prova aquática de 25km nadando em alto-mar. A gente sempre aconselha a diminuir o ritmo, cortar quase pela metade a carga que ela estava acostumada", explica o médico, sobre os casos em que a gravidez não é de risco.

Veja mais

Quais as vantagens?

Desde que liberada pelos médicos, a prática de exercícios na gravidez pode garantir uma gestação mais tranquila. Aliados a uma dieta saudável -- é sempre recomendado que se consulte uma nutricionista, os exercícios podem evitar a diabetes gestacional, além de diminuir a incidência da pré-eclampsia, que é a pressão alta na gravidez.

Como o corpo da mulher também vai ser mais requisitado na gravidez, a gestante pode ter dores lombares e dores na parte inferior da barriga, principalmente à noite. "Fazer hidroginástica, alongamento e mesmo massagem, como as drenagens linfáticas, ajuda bastante nessas situações", orienta o médico.


Atenção: nem sempre pode

O médico responsável pelo acompanhamento da gravidez precisa analisar como anda a gestação e o corpo da mulher, antes de autorizar a prática de exercícios, já que também existem contraindicações. São os casos onde há maiores chances de aborto, como quando a mulher tem a chamada insuficiência istmo-cervical -- quando o colo do útero dilata antes da hora e coloca o bebê em risco.

Mulheres que apresentem pressão alta na gravidez, risco de descolamento de placenta ou polidrâmnio, que é o líquido aminiótico aumentado, também devem deixar de lado a ideia de malhar. Nestes casos, o recomendado é o repouso.

No comecinho da gravidez, o médico também sugere ir com calma. "Até as nove ou dez semanas você espera para ver se o bebê está bem, se está tudo tranquilo. Mas depois que passou o terceiro mês, eu indico exercícios leves", afirma.

Não é por ser gravidez de gêmeos, como é o caso de Ivete, que as mamães atletas devem parar. "Na gravidez gemelar a barriga cresce bastante, então nada que force abdômen é recomendado. Agora mexer a perna, fazer um pouco de alongamento e trabalhar os braços está liberado. Lógico que não vai fazer força, mas um pesinho leve no braço ela pode, não tem problema nenhum".

Grávida e sedentária?

Quem não tinha por hábito praticar exercícios físicos não precisa continuar sedentária na gravidez. A orientação é apenas manter um ritmo de leve a moderado. O obstetra indica como boas opções de exercícios a caminhada, os alongamentos, pilates e hidroginástica.

"A hidroginástica é uma ótima opção. Sempre tem uma senhorinha nas aulas de hidroginástica e eu digo: fica lá com essa vovozinha. Afinal, o intuito não é ganhar massa nem ganhar nada, é relaxar! Eu quero que a musculatura relaxe, porque a mulher começa a ter muita dor e a hidroginástica é capaz de relaxar", indica o obstetra.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!