menu
Topo

Moda


Passarelas têm mais modelos trans e não-brancas, diz estudo

Getty Images
Passarela Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

15/10/2017 20h42

A diversidade de modelos ainda deve aumentar, mas as passarelas de moda já são as mais representativas da história. É o que diz um relatório norte-americano que analisou mais de 8,258 desfiles em 266 eventos de moda em Londres, Paris, Nova Iorque e Milão.

Maior diversidade racial

A pesquisa do The Fashion Post mostra que as consideradas não-brancas (como negras, pardas e orientais) tiveram um crescimento maior na coleção Primavera 2018, representando 30,2%. O restante, 69,9% ainda é composto por mulheres brancas. Em comparação, a coleção Outono 2017 contavam com 27.9% de modelos identificadas como não-brancas.

A diversidade racial foi a única categoria na qual houve um aumento expressivo e com tendência a ser ampliada, afirma o estudo. 

Número de trans, plus-sizes e não binários ainda é modesto, mas já é o maior registrado

De acordo com o levantamento, 45 modelos do circuito Primavera 2018 são transexuais e 4 se identificaram como não-binários. As plus-sizes conquistaram mais espaço, com 93 modelos. Modelos acima dos 50 também foram mais representadas, com 27 modelos desfilando nas quatro capitais analisadas.

O número é o maior já registrado pelos relatórios, embora, no total, a participação ainda seja modesta: plus-sizes representaram apenas 1.13% do casting nas principais capitais fashion do mundo. Modelos acima de 50 anos ainda foram 0.33% das modelos em coleções e transgêneros e não-binários contam só com 0.59% de participação.

A pesquisa conclui que a temporada serviu para incluir mais diversidade, mas pede que as próximas coleções sejam ainda mais abrangentes.