Universa

Vocês fazem as pazes na cama? Delícias e riscos do sexo de reconciliação

Getty Images
Mitos e verdades do sexo para resolver já Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração com UOL

06/09/2017 04h00

Quem nunca terminou um barraco na cama, não sabe o que está perdendo. A intensidade da situação e a urgência em resolver tudo tornam o sexo incrível. Não é bom, porém, fazer disso um hábito. Saiba quais são os prós e contras de selar a paz entre lençóis:

Prós

A adrenalina e o estresse elevam o tesão. O sexo pode ser inesquecível! Os neurotransmissores cerebrais (serotonina, dopamina e noradrenalina) entram em ação no organismo. É como se vocês tivessem a melhor transa de todos os tempos. A experiência também é bem excitante se os dois ficaram um tempo afastados e/ou sem se encontrarem e deixaram para matar a saudade numa reconciliação entre lençóis.

A tensão da briga pode levar o casal a mudar de comportamento na hora H, agindo de modo mais livre, leve, solto e muito, muito mais selvagem. As preliminares, em geral, são dispensadas, pois ambos já estão excitadíssimos! A pegada é mais forte e os beijos e as carícias, mais intensos. Puxões de cabelo e apertões fazem parte do pacote.

Se o relacionamento for saudável, uma pitada de tensão pós-DR ajuda a dar uma esquentada extra na cama. Mas o ideal é que isso ocorra só de vez enquanto, e se, é bom frisar, quando a relação é equilibrada, ou seja, os conflitos são mínimos e não há disputa de poder.

Transar pode ajudar a colocar o conflito em questão em perspectiva e levar o casal a fazer verdadeiramente as pazes. Com a cabeça mais fria depois do rala e rola, ambos podem encarar as coisas de outro jeito e se dar conta de que, no fundo, os sentimentos bons prevalecem. A sensação deliciosa pós-orgasmo ajuda o casal a refletir: "Vale a pena brigar e discutir ou nos amar como acabamos de fazer?”.

Contras

Resolver a briga com sexo pode se tornar uma espécie de padrão e prejudicar o convívio e o vínculo entre os dois. Relações do tipo "e se de dia a gente briga, à noite a gente se ama" podem lançar mão do sexo como única forma de apaziguar os conflitos. O casal até se entende por um tempo, mas acaba não conversando e não resolvendo os problemas reais.

A prática pode se converter em um círculo vicioso, onde o prazer só será sentido se houver o desentendimento, desencadeando assim, um sexo desvairado e doentio. Trata-se de uma falsa tática de aproximação, já que o prazer vai se tornando associado ao distanciamento ou às brigas.

As brigas se encerram apenas temporariamente. É bem grande a chance de outras acontecerem, num curto espaço de tempo e em maior intensidade. E há um risco de o nível de agressividade ir aumentando. É por isso que a relação de quem briga e faz as pazes na cama precisa ser saudável.

Há outras maneiras de esquentar a relação e partir para o sexo selvagem: perguntar ao outro sobre suas fantasias, testar coisas novas (lugares, posições, produtos sensuais), fingir se passar por outra pessoa, transformar jogos de azar em brincadeiras eróticas  e por aí vai. É possível, sim, apimentar os momentos a dois sem usar a D.R. como recurso.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa

Topo