menu
Topo

Universa


Universa

Chega da ditadura da felicidade: você não precisa ser feliz o tempo todo

Getty Images
Imagem: Getty Images

Por Gabriela Guimarães e Carolina Prado

Colaboração para o UOL

2017-08-08T04:00:00

08/08/2017 04h00

Quem disse que o estado natural do ser humano é ser feliz? Aliás, você não desconfia daquelas pessoas que postam fotos com cara e legenda de "plenitude" todos os dias? Então, temos uma notícia libertadora: você não tem obrigação de se sentir feliz 24 horas por dia.

A professora do Departamento de Filosofia da Unifesp, Cecilia C. Cavaleiro de Macedo, fala que a ideia de felicidade foi supervalorizada pela sociedade moderna. Como efeito colateral, uma ditadura de felicidade, beleza e juventude começou a fazer parte da nossa cultura. Os avanços científicos até garantiram maior longevidade, métodos cirúrgicos apurados e remédios para amenizar as dores da alma. Todo avanço é positivo, mas a realidade é: continuamos envelhecendo, perdendo a beleza, a juventude, a saúde e, por mais difícil que seja encarar, continuamos morrendo.

“Isso leva as pessoas a acharem vergonhoso envelhecer, assim como não corresponder a determinados padrões de beleza, não ser bem-sucedido e admirado. Há uma crença disseminada, em parte pela indústria farmacêutica, em parte pelos meios de comunicação de massa, de que ser ou estar triste não é normal”, diz Cecília.

Insatisfação dá sentido à vida

Felicidade é uma palavrinha com sentido amplo, pessoal e intransferível. Nem mesmo os filósofos, que debatem o assunto há milênios, conseguiram definir. “A felicidade não é algo delimitado e compartilhado, que se pode experimentar, como a alegria. Ela é mais que isso, é um propósito, uma meta a ser atingida”, explica a professora Cecília. Para ela, felicidade deve ser entendida como uma constante busca, pois, se pudéssemos alcançá-la completamente, não teríamos mais razão para viver. É um objetivo que funciona como um motor nos levando sempre para a frente.

Portanto, esqueça a ideia de que a tradução de felicidade é o Instagram daquele ex-colega da escola. “A felicidade é relativa, porque está baseada na referência de cada um sobre o que é esse sentimento”, explica Bruno Gimenes, professor, palestrante e autor do livro “Propósito Inabalável” (Ed. Luz da Serra).

Saber se você é feliz depende do autoconhecimento, de uma observação profunda da própria vida. Segundo a jornalista e escritora Vera Golik, palestrante da área de autoestima, a felicidade pode ser medida pelos resultados alcançados no dia a dia e tem muito a ver com o quanto você se sente realizado. Também é bom entender que os altos e baixos sempre estarão por aí. Mas quem determina seus fatores de realização é você.

A sombra do estresse

Você já viu seu nível de ansiedade subir só de pensar se é feliz ou não? Pois saiba que não está só. Há um mito de que a felicidade plena existe e já foi atingida pelos outros. Porém, se mudarmos nosso olhar um pouquinho, veremos que essa busca não precisa ser fonte de estresse. “Não devemos buscar a felicidade em si, mas a nós mesmos. Encontre a sua missão de vida e a felicidade encontrará você. Felicidade é sintoma e consequência”, explica Bruno.

Pode chegar, dona tristeza

Já dizia Mario Quintana: “Quem nunca quis morrer, não sabe o que é viver”. Pode até parecer contraditório, mas dá para usar a tristeza de um jeito bem funcional. “Acredito que a dor (como um estado emocional de conflito ou tristeza) seja um dos mais poderosos instrumentos de evolução, desde que se esteja disposto a aprender com ela”, diz Bruno Gimenes.

Então, da próxima vez que a infelicidade bater à sua porta, é bom abrir. E andar um tempinho de mãos dadas com ela. Algumas atitudes podem ajudar:

  • Fique um pouquinho na sua –diga não aos convites dos outros sem culpa– e pare para refletir sobre os seus sonhos. O que você deixou para trás?
     
  • Aproveite para se conhecer, vá fundo nas suas fraquezas e limitações. Só quando descobrimos o que incomoda, de verdade, podemos fazer algo a respeito.
     
  • Abrace o sentimento negativo e encare-o, para vasculhar as causas da deprê. Pode ter algo a ver com você, mas, também, com situações que sugam a energia de qualquer pessoa e que costumamos alimentar sem nem perceber.
     
  • Se estiver difícil demais, cerque-se de pessoas positivas, que possam inspirar você em novos caminhos.
     
  • Acredite no poder de transformar qualquer situação em uma oportunidade de crescimento. “Se usar as situações boas e ruins como etapas, sempre evoluindo, estará caminhando em direção à felicidade. Não uma felicidade estática, mas aquela representada pela busca constante de aprimoramento”, finaliza Vera Golik.

Mais Universa