Topo

Universa

Chefe é responsabilizada por suicídio de jovem de 17 anos nos EUA

Reprodução/Columbia Daily Tribune
Kenneth Suttner, de 17 anos, suicidou-se em dezembro Imagem: Reprodução/Columbia Daily Tribune

Do UOL

03/02/2017 13h29

Um tribunal do condado de Howard, nos Estados Unidos, considerou, nesta terça-feira (31), o suicídio de um adolescente de 17 anos que sofria bullying no trabalho e na escola um “homicídio involuntário”. Kenneth Suttner era alvo de humilhações e piadas por seu excesso de peso, sua dificuldade de fala e jeitos de andar e falar, há anos, no trabalho e na escola. Ele se matou em 21 de dezembro. As informações são do jornal "Columbia Daily Tribune".

Assim que o veredicto foi anunciado, autoridades policiais deixaram a corte para prender Harley Branham, gerente da lanchonete Dairy Queen em Fayete, onde o adolescente trabalhava. A gerente negou que cometesse bullying com o garoto. A empresa foi considerada negligente por não treinar seus funcionários a fim de coibir a prática.

Segundo testemunhas ouvidas, Harley ridicularizava Kenneth repetidamente e o obrigava a fazer tarefas que ninguém mais na lanchonete tinha de fazer, como limpar o chão estando deitado de barriga nele. Ela também foi acusada de ter atirado um hambúrguer no jovem, que não teria feito o lanche corretamente.

No veredicto, a Glasgow High School --escola que o adolescente frequentava-- foi citada como omissa por não ter tomado providências sobre as ofensas dirigidas a Kenneth pelos colegas. A mãe do jovem, Chanda Graves, disse no tribunal que um professor da instituição também chegou a ridicularizar o filho.

Em um pronunciamento lido no tribunal, a família de Kenneth, ao ouvir o veredicto, disse que era a justiça sendo feita e a voz do garoto sendo, enfim, ouvida.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa