menu
Topo

Violência contra a mulher

Marrocos detém feminista envolvida em campanha a favor do aborto

Reprodução/YouTube
Imagem: Reprodução/YouTube

Da EFE

17/08/2018 18h24

A feminista marroquina Ibtissam Lachgar, uma das mais conhecidas no país pela defesa das liberdades individuais, foi detida pela polícia em Rabat, segundo denunciou nesta sexta-feira em comunicado o Movimento Alternativo pelas Liberdades Individuais (Mali, associação da qual é cofundadora e porta-voz).

A ONG denunciou que Lachgar foi detida após uma campanha que o movimento lançou recentemente para sensibilizar as mulheres sobre as pílulas abortivas, e acrescentou que as autoridades acusam a ativista de "causar distúrbios na ordem pública por embriaguez".

Veja também


"O Mali expressa com veemência sua inquietação (...) reivindicamos sua libertação o mais rápido possível, se isto não acontecer, continuaremos nossa ação até conseguirmos sua liberdade", ressaltou a ONG na nota publicada em sua conta no Facebook.

Nenhuma fonte oficial se pronunciou até o momento sobre o caso.

A campanha lançada pelo Mali consiste em oferecer uma série de propostas às mulheres que querem interromper uma gravidez não desejada, mediante a mobilização de uma linha telefônica para atender essas mulheres e oferecer de graça soluções de abortos farmacológicos.

O governo marroquino aprovou em 2016 uma reforma que legalizou pela primeira vez o aborto no país, mas o limitou a três casos: incesto, estupro e má-formação do feto.

A prática do aborto nos casos não contemplados por lei é penalizada com penas de até cinco anos de prisão para o médico que realizá-lo. As condenações também se estendem às pessoas que ajudam o médico.

Tanto o Mali como outras ONGs feministas denunciaram frequentemente o perigo que os abortos clandestinos praticados no Marrocos (entre 600 e 800 diários) representam para a vida das mães.

O Mali é conhecido por suas iniciativas audaciosas para defender as liberdades públicas no Marrocos: em 2009, os membros do movimento foram detidos pela polícia quando tentaram romper publicamente o jejum do mês sagrado do ramadã em frente a uma estação de trem e em pleno dia, uma prática punida por lei no país.

Em 2012, a ONG convidou ao país o navio-hospital da organização holandesa pró-aborto "Women on Waves" para dar informações sobre métodos abortivos, mas as autoridades marroquinas impediram então a embarcação de entrar em suas águas territoriais.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!