menu
Topo

Diversidade

Marcha do Orgulho LGBT reúne milhares de participantes em Jerusalém

AFP
Israelense durante a Parada do Orgulho LGBT em Jerusalém, no dia 2 de agosto Imagem: AFP

da EFE, em Jerusalém

02/08/2018 16h00

A Marcha do Orgulho LGBT, que deve ser a maior na história de Jerusalém, começou nesta quinta-feira em um ambiente festivo, mas com distúrbios entre um grupo de extrema-direita anti-gay e as forças de segurança, informou a polícia de Israel.

A passeata começou com duas horas de atraso e cercada de um forte dispositivo de segurança no Parque do Sino da Liberdade, onde, nos primeiros momentos da concentração, o grupo de extrema-direita Lehava enfrentou a polícia e quatro de seus integrantes foram detidos.

Veja também

Antes do início da manifestação, dois serviços funerários foram realizados por Nir Katz, que foi assassinado no clube Barnoar em Tel Aviv em 2009, e Shira Banki, assassinada durante a Marcha do Orgulho LGBT de Jerusalém há três anos.

"Jerusalém é a capital de Israel, aqui deve estar todo o país representado e precisamente este é o lugar no qual é preciso mostrar que a comunidade LGBT está presente e que não deixaremos de lutar, para fazer um mundo melhor para todos, sem importar a orientação sexual", disse à Agência Efe um dos presentes na manifestação, Doron Mozenson, de 25 anos, que pretende fazer um doutorado em estudos de gênero.

Este ano, o evento coloca o foco na luta da comunidade LGBT para poder gerar filhos com barriga de aluguel, algo que o parlamento não aprovou em julho.

AFP
A Parada do Orgulho LGBT de Jerusalém aconteceu nesta quinta, 2 de agosto Imagem: AFP

Os participantes marcharam entre bandeiras do arco-íris e muitos deles estavam enfeitados com roupas multicoloridas, tanto crianças como adultos, enquanto entoavam cânticos como "O povo exige igualdade jurídica" e "Não à violência, sim à tolerância".

Os manifestantes também exibiram cartazes com palavras de ordem como: "Eu quero ser pai" e "Tudo começa com pais felizes e jovens".

"Temos que unir nossas forças em uma luta que jamais foi tão importante", declarou Tzipi Livni, líder da coligação de centro-esquerda União Sionista e ex-ministra de Relações Exteriores.

"Nosso trabalho não acaba com as marchas, a verdadeira mudança virá com uma nova legislação e uma profunda mudança social e política", acrescentou a política, segundo a rádio nacional "Kan".

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!