menu
Topo

Direitos da mulher


Mulheres conquistam mais cargos na diretoria quando lei exige

iStock
Imagem: iStock

Jeff Green

da Bloomberg

12/12/2018 08h53

Os defensores da diversidade tentam há duas décadas convencer o mundo corporativo em relação ao equilíbrio entre gêneros nos conselhos. Em vez disso, talvez eles devessem tentar pressionar parlamentares.

Um novo estudo da Egon Zehnder mostra que, entre os países com média de três ou mais mulheres nos conselhos das grandes empresas -- considerado o limite para que a diversidade comece a gerar retornos maiores -- todos, exceto um, têm sistemas de cotas exigidas pelo governo.

"Quando analisamos os assentos dos conselhos nos quais houve mudanças, apenas um quarto foram preenchidos por mulheres", disse Cynthia Soledad, uma das líderes do conselho de diversidade da Egon Zehnder e uma das autoras do estudo. "É preciso mais que um exercício intelectual ou um entendimento filosófico de que a diversidade é positiva e de que a diversidade nos beneficiaria."

Nos EUA, as grandes empresas têm em média 2,5 diretoras, e essa representação pouco cresceu desde 2012, disse Soledad. Não há nenhuma exigência nacional para o número de mulheres no conselho, embora a Califórnia tenha aprovado neste ano uma lei que exigirá pelo menos uma mulher nos conselhos de empresas com sede no estado até 2019, e três na maioria desses conselhos até 2021.

Para que as diretorias adicionem mais mulheres, elas terão que expandir o universo além dos atuais e ex-CEOs e diretores, disse Soledad. Algumas empresas têm mostrado disposição para nomear mulheres que nunca atuaram em conselhos, nem foram CEOs, mas a maioria não, disse.

Essa prática exclui a maioria das mulheres, que representam apenas 3,7 por cento dos CEOs entre os 44 países avaliados no estudo.