Carreira e finanças

Bônus bancário reforça cultura machista, diz painel britânico

iStock
Imagem: iStock

Lucy Meakin

13/06/2018 18h18

Os parlamentares britânicos estão pedindo uma revisão da forma de pagamento de bônus a executivos bancários para ajudar as mulheres a conseguirem uma representação maior no setor.

A percepção de que os homens argumentam com mais força ao negociar bônus -- e, portanto, conseguem recompensas mais elevadas -- pode afastar as mulheres de trabalhos em serviços financeiros, segundo relatório do painel parlamentar que fiscaliza o Tesouro. O órgão pediu que os pagamentos relacionados ao desempenho sejam avaliados com base em critérios "claramente objetivos e baseados em fórmulas" para ajudar a combater a cultura do "macho alfa".

Veja também 

"Existe uma cultura que deixa as mulheres de fora, não na hora de entrar na empresa, mas à medida que elas avançam e progridem em suas carreiras", disse o presidente do Comitê do Tesouro, Nicky Morgan, em entrevista à Bloomberg Television. "Os bônus são uma manifestação disso. As mulheres não gostam de ter que lutar e pedir dinheiro."

Entre as propostas, o grupo defendeu que mais homens com cargos de chefia "deem o exemplo" no tocante à flexibilidade do trabalho para reduzir o estigma que pode afetar negativamente o progresso das mulheres em suas carreiras, e que os bancos encorajem a licença parental compartilhada.

O grupo recomendou também uma nova análise das políticas de recrutamento e promoção para combater o preconceito inconsciente e promover o estudo de temas relevantes para as mulheres para incentivá-las a entrar no setor.

O relatório está baseado nas novas exigências de divulgação do déficit salarial por gênero, que mostram que as mulheres dos bancos e das sociedades de construção do Reino Unido ganham 35 por cento menos por hora, em média, do que seus colegas homens e recebem bônus em média 52 por cento inferiores.

O relatório declara que as firmas deveriam ser obrigadas a publicar estratégias de apoio ao progresso das mulheres e acrescentou que a decisão de algumas empresas de excluir os associados das declarações de dados salariais é "ultrajante".

--Com a colaboração de Francine Lacqua e Kevin Costelloe.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
do UOL
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Bru Fioreti
BBC
Blog Bru Fioreti
do UOL
Redação
Blog Bru Fioreti
Blog Mulherias
Redação
do UOL
Redação
Redação
Topo