menu
Topo

Violência contra a mulher

'Alô? Acabei de matar minha mulher': britânico confessa crime à polícia

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

21/07/2018 20h49

“Eu acabei de matar minha mulher.” Foi assim que Stephen Searle anunciou em dezembro passado seu crime à polícia.

No áudio da ligação, que veio à tona agora, o político de 64 anos explica calmamente que estrangulou até a morte Anne Searle, de 62 anos, em sua casa em Stowmarket, no sul da Inglaterra.

“Você matou sua mulher?”, perguntou o atendente em seguida.

“Sim. Um pouco diferente para você esta noite, imagino”, respondeu Searle.

A ligação ficou então em silêncio, que foi quebrado em seguida pelo político: “Feliz Ano Novo”.

“Ok, e como você matou ela?”, prosseguiu o homem do outro lado da linha.

“Por sufocamento, eu acho. Uma situação um pouco bizarra, mas, você sabe, deixa pra lá…”, disse Searle.

Veja também

Político foi condenado por homicídio

Searle é ex-militar e ex-membro do Conselho do Condado de Suffolk, o órgão legislativo local. Ele acaba de ser condenado a 14 anos de prisão por homicídio. Searle nega que tenha matado Anne. Os dois estavam casados há 45 anos.

Meses antes, ela havia descoberto que o marido tinha uma amante. Searle mantinha um relacionamento com a parceira de seu filho, Anastasia Pomiateeva, mãe de ao menos um dos netos do casal. Após seis dias de julgamento, o júri levou três horas e meia de deliberações para concluir que ele era culpado.

‘Não tive intenção de matar’

Searle afirma que, no dia do crime, sua mulher o atacou com uma faca após uma discussão e acabou morta em meio à briga. Ele disse perante o tribunal que não pretendia matá-la e, em vez de chamar uma ambulância após o ocorrido, “ficou parado como um idiota”. O juiz Nicholas Green disse a Searle que seu “ato de infidelidade de uma forma ou de outra levou àquilo”.

Sufocamento teria durado alguns minutos para levar à morte

A descoberta do caso de Searle “teria abalado consideravelmente seu casamento”, argumentou o promotor Andrew Jackson.

O político provavelmente imobilizou e sufocou Anne, disse Jackson, uma técnica que teria aprendido em sua época na Marinha.

A perícia apontou que Anne morreu por causa de uma compressão em seu pescoço. O médico forense Benjamin Swift afirmou que ela teria ficado inconsciente após 8 a 15 segundos e que, para levá-la à morte, teria sido necessário manter a pressão por alguns minutos.

Em um comunicado, um dos filhos de Searle, também chamado Stephen, disse: “Não só perdi minha mãe, mas, por causa do que ele fez, também perdi meu pai”.