menu
Topo

Violência contra a mulher

Entenda o escândalo sexual envolvendo o megaprodutor Harvey Weinstein

 Kevin Hagen/Getty Images
Harvey Weinstein se entrega à polícia de Nova York Imagem: Kevin Hagen/Getty Images

25/05/2018 16h07

O megaprodutor de cinema Harvey Weinstein se entregou nesta sexta-feira à polícia de Nova York, acusado de abuso e assédio sexual por mais de 70 mulheres, entre elas diversas atrizes hollywoodianas.

Weinstein ainda não foi formalmente indiciado, mas acredita-se que isso deva ocorrer em breve. Ele tem negado as acusações contra si.

Cofundador dos estúdios Miramax e da produtora Weinstein Co., ele foi um dos homens mais poderosos da indústria do cinema. Até que, a partir de reportagens do New York Times e da New Yorker, começaram a vir à tona diversos relatos de abusos, alguns de décadas atrás.

O caso de Weinstein serviu de gatilho para o movimento #MeToo, em que milhares de mulheres pelo mundo começaram a denunciar publicamente abusos e colocaram em evidência más condutas por parte de homens podersos em diversos setores - entretenimento, política e negócios, entre outros.

Veja como o caso evoluiu até agora:

5 de outubro de 2017

- O jornal The New York Times publica uma reportagem detalhando acusações que indicavam décadas de assédio sexual cometido por Harvey Weinstein; atrizes como Rose McGowan e Ashley Judd foram as primeiras a detalhar denúncias.

- Weinstein emite um pedido de desculpas dizendo que "causou muita dor", mas nega acusações de ter assediado atrizes e funcionárias ao longo de quase três décadas.

- Os advogados do produtor ameaçam processar o jornal, e Weinsten anuncia que vai tirar licença de sua produtora e receber acompanhamento terapêutico.

6 de outubro de 2017

- Diversas atrizes, como Brie Larson e Lena Dunham, exaltam a coragem das colegas que vieram a público fazer denúncias.

- A Weinstein Co. afirma levar as acusações "com muita seriedade" e promete uma investigação.

7 de outubro de 2017

- Lisa Bloom, advogada de Weinstein, anuncia sua renúncia do caso, em meio a divergências com o conselho da Weinstein Co. sobre as estratégias de defesa.

8 de outubro de 2017

- É anunciada a demissão imediata de Harvey Weinsten de sua empresa, "à luz de novas informações sobre má conduta" do produtor.

9 de outubro de 2017

- Atriz britânica Romola Garai diz ao jornal The Guardian que se sentiu "violada" por Weinstein ao participar de um teste com ele. Ela diz que ele atendeu a porta do quarto de hotel usando apenas um roupão.

- Mais atores e atrizes começam a reagir ao escândalo. Meryl Streep elogia "as intrépidas mulheres que levantaram sua voz para expor esse abuso", e George Clooney afirma que o comportamento descrito nas acusações era "indefensável".

10 de outubro de 2017

- Acusações de mais 13 mulheres são publicadas na revista New Yorker - incluindo três de estupro, negadas por Weinstein.

- A atriz Asia Argento e uma ex-aspirante a atriz chamada Lucia Stoller (hoje Lucia Evans) dizem que Weinstein forçou-as a fazer sexo; uma terceira mulher que não quis se identificar disse o mesmo.

- Mira Sorvino, estrela de diversos filmes produzidos por Weinstein, diz à New Yorker que o produtor a assediou e a pressionou a fazer sexo com ele. Outras megaestrelas, como Gwyneth Paltrow e Angelina Jolie, também dizem terem sido assediadas por ele.

- Celebridades como Barack Obama, Benedict Cumberbatch e Leonardo DiCaprio fazem críticas públicas a Weinsten.

- A mulher de Weinstein, Georgina Chapman, anuncia sua separação do produtor e diz que sua prioridade é cuidar dos filhos do casal.

11 de outubro de 2017

- Academia cinematográfica britânica Bafta anuncia a desfiliação imediata de Weinstein. Parlamentares britânicos pedem que sua Ordem honorária do Império Britânico seja revogada.

- Atriz e modelo britânica Cara Delevigne diz que também foi assediada pelo produtor.

- Em comunicado, organizadores do Festival de Cinema de Cannes se dizem "consternados" pelas acusações contra Weinstein.

12 de outubro de 2017

- A Academia de Artes Cinematográficas, que realiza o Oscar - prêmio vencido 81 vezes por filmes produzidos pelos estúdios de Weinstein -, diz considerar "repugnante" o teor das acusações contra Weinstein.

- A atriz Rose McGowan diz no Twitter que Weinstein a estuprou. Em comunicado, o produtor "nega veementemente qualquer alegação de sexo não consentido".

- Roy Price, chefe dos estúdios da Amazon, é colocado "de licença". Ele foi acusado por McGowan de tê-la ignorado quando contou do ocorrido com Weinstein. O próprio Price também foi acusado de assediar uma colega. A Amazon anuncia também que vai rever todos os projetos envolvendo a Weinstein Co.

13 de outubro de 2017

- Lisa Rosa, ex-assistente de Weinstein, diz que em uma ocasião ficou com medo do comportamento de Weinstein, quando ele a chamou para "fazer massagem" em um quarto.

- O apresentador James Corden faz piadas com as acusações a Weinstein em um evento de gala em Los Angeles. Mais tarde, ele pediu desculpas pelo Twitter, dizendo que "não estava tentando amenizar o comportamento indesculpável de Harvey, mas sim envergonhar ele, abusador, e não suas vítimas".

14 de outubro de 2017

- A Academia Cinematográfica vota para expulsar Weinstein de seus quadros. "O que está em questão aqui é um problema profudamente perturbador que não tem lugar me nossa sociedade", diz o órgão em comunicado.

15 de outubro de 2017

- Atriz britânica Lysette Anthony diz que Weinstein a estuprou em Londres nos anos 1980; outra mulher, não identificada, diz ter sido abusada pelo produtor em 1992.

- Woody Allen, sobre quem também recaem acusações, diz que "essa coisa toda com o Harvey Weinstein é muito triste para todos os envolvidos. Trágico para as pobres mulheres, triste por Harvey ter sua vida tão conturbada". Mais tarde, ele disse que "se sentiu triste por Harvey (...) por ele ser um homem triste, doente".

- BBC descobre que a polícia britânica está investigando diversas acusações de assédio envolvendo o produtor americano, em casos que vão dos anos 1980 a 2015.

16 de outubro de 2017

- Conselho do Sindicato dos Produtores expulsa Weinstein.

- O roteirista Scott Rosenberg, que trabalhou na Miramax, diz que muitos na empresa eram cientes do "terrível" comportamento de Weinstein.

- Atriz Lauren Holly diz que, nos anos 1990, Weinstein tomou banho e usou o banheiro diante dela antes de abordá-la pelado e pedir uma massagem.

- Em entrevista a uma televisão francesa, o motorista de Weinstein, Mickael Chemloul, diz que teve de transportar "jovens aspirantes a atrizes que choravam" após se encontrarem com o produtor.

17 de outubro de 2017

- Atriz Lena Headey acusa Weinstein de assediá-la e diz que o produtor ficou "furioso" por ela ter resistido aos seus avanços.

- Weinstein renuncia ao seu posto no conselho de sua produtora.

- Produtora de TV Amanda Segel acusa Bob Weinstein, irmão mais novo de Harvey, de assédio sexual.

- Roy Price, chefe dos estúdios Amazon, renuncia por conta das acusações contra si.

18 de outubro de 2017

- Ator Channing Tatum anuncia suspensão de filme sobre abuso sexual infantil que ele produzia com a empresa de Weinstein.

- Universidade Harvard anuncia que retirará de Weinstein uma condecoração concedida a ele em 2014.

19 de outubro de 2017

- O diretor Quentin Tarantino revela que sabia havia anos das acusações que pairavam sobre Weinstein. "Sabia o suficiente para fazer mais do que fiz", admite ao New York Times.

- Um grupo de funcionários da Weinstein Co. escreve uma carta aberta pedindo para serem formalmente liberados de uma cláusula contratual que os impede de falar publicamente sobre o que eles testemunharam ao longo dos anos.

23 de outubro de 2017

- Zelda Perkins, ex-assistente de Weinstein, diz ao Financial Times ter recebido US$ 165 mil para se manter em silêncio, após ter acusado o produtor de assédio sexual.

24 de outubro de 2017

- George Clooney e Matt Damon dizem que é hora de Hollywood mudar e de "acreditarmos nas mulheres".

- Atriz Brit Marling diz que Weinstein sugeriu que eles tomassem um banho juntos em um quarto de hotel. Ela conta que ficou "paralisada de medo", mas conseguiu escapar.

25 de outubro de 2017

- Mimi Haleyi, ex-produtora da empresa de Weinstein, diz que ele fez sexo oral nela sem consentimento em 2006.

- Atriz Dominique Huett, que também acusa Weinstein de sexo oral forçado, processa a Weinstein Co. por negligência.

26 de outubro de 2017

- Atriz norueguesa Natassia Malthe acusa Weinstein de estupro em um hotel em 2008.

27 de outubro de 2017

- Atriz Annabella Sciorra, do seriado Sopranos, acusa Weinstein de ter entrado à força em seu apartamento e a estuprado em 1992.

- Atriz Daryl Hannah também acusa o produtor de tentar invadir seu quarto de hotel e assediá-la repetidamente durante a turnê promocional dos filmes Kill Bill.

28 de outubro de 2017

- Rose McGowan diz ter recusado oferta de US$ 1 milhão de Weinstein para permanecer em silêncio.

- Reportagem do New York Times identifica novas acusações contra Weinstein ainda nos anos 1970, quando ele era produtor de shows no estado de Nova York.

30 de outubro de 2017

- Sindicato dos Produtores dos EUA diz que Weinstein está banido "para toda a vida" - medida "sem precedentes" que reflete a "seriedade" com que são levadas as acusações contra ele.

1º de novembro de 2017

- Uma atriz canadense não identificada processa Weinstein por duas acusações de assédio sexual em 2000; ela também entrou na Justiça contra o Miramax e a Walt Disney Company, bem como uma produtora ligada a Weinstein.

2 de novembro de 2017

- Em entrevista à Vanity Fair, a atriz Paz de la Huerta acusa Weinstein de tê-la estuprado duas vezes em 2010.

3 de novembro de 2017

- Polícia de Nova York confirma que há "um caso real" contra Weinstein sendo investigado, citando uma "narrativa crível e detalhada" de uma mulher não identificada - acredita-se que seja de Paz de la Huerta.

7 de novembro 2017

- Reportagem da New Yorker aponta que Weinstein usou investigadores privados para encobrir as acusações contra si.

20 de novembro de 2017

- O cantor britânico Morrissey é criticado por expressar ceticismo quanto às mulheres que acusam Weinstein.

23 de novembro de 2017

- Atriz Uma Thurman, de Kill Bill, escreve mensagem no Instagram criticando "Weinstein e seus perversos conspiradores" e prometendo detalhar acusações contra ele.

28 de novembro 2017

- O primeiro caso judicial contra Weinstein no Reino Unido é protocolado na Corte Superior britânica. Uma mulher, pedindo anonimato, diz que trabalhava na indústria cinematográfica e afirma ter sido vítima de assédio sexual por parte do produtor.

1º de dezembro de 2017

- Atriz Kadian Noble acusa Weinstein de levá-la a um quarto de hotel em Cannes em 2014 e assediá-la. Em uma ação civil protocolada em Nova York, ela acusa os irmãos Weinstein e a empresa deles de violar leis de tráfico sexual americanas.

14 de dezembro de 2017

- Atriz Salma Hayek acusa Weinstein de assédio sexual e ameaças. Em texto ao New York Times, ela diz ter repetidamente recusado as investidas sexuais do produtor. Em resposta, uma porta-voz da Weinstein Co afirma que "todas as alegações citadas por Salma não são precisas".

16 de dezembro de 2017

- O diretor Peter Jackson, da série "O Senhor dos Anéis", diz que recebeu "falsas informações" sobre Mira Sorvino e Ashley Judd por parte da Miramax, que seriam uma espécie de revanche pelo fato de elas terem reagido às investidas sexuais do produtor. Weinstein negou isso.

19 de dezembro de 2017

- Zelda Perkins, ex-assistente de Weinstein, diz ter tentado levar a público o comportamento do chefe, mas ouviu de advogados que "não teria nenhuma chance" de enfrentá-lo.

15 de janeiro de 2018

- Em entrevista à BBC, Ashley Judd diz que "não foi intimidada" por Weinstein e, por isso, o produtor "sabotou" a carreira dela.

3 de fevereiro de 2018

- Uma Thurman detalha as acusações contra Weinstein. Em artigo no New York Times, ela conta que Weinstein a empurrou e "tentou expor a si mesmo" em um quarto de hotel nos anos 1990, até que ela conseguisse escapar. A porta-voz do produtor diz que as acusações são "mentirosas".

- Polícia britânica diz estar investigando as acusações feitas por mais duas mulheres contra Weinstein. No total, as investigações no Reino Unido abarcam nove mulheres.

11 de fevereiro de 2018

- Após quatro meses de investigações, a Promotoria de Nova York anuncia abertura de processo contra a Weinstein Co., suspeito de ter sido omisso em proteger seus funcionários de abuso e assédio. O advogado de Weinstein diz que "há falhas" no comportamento do produtor, mas "não há crime".

28 de fevereiro de 2018

- Sobe para dez o número de mulheres que fazem denúncias contra Weinstein à polícia britânica.

20 de março de 2018

- A Weinstein Co. anuncia falência.

28 de março de 2018

- Perkins, a ex-assistente de Weinstein, diz ter sido pressionada a assinar um acordo de confidencialidade "imoral em todos os níveis", supostamente para evitar que ela denunciasse os abusos envolvendo seu chefe. Ela diz que decidiu pedir demissão da Miramax depois que uma colega acusou Weinstein de estupro.

1º de maio de 2018

- Ashley Judd entra com processo contra Weinstein, alegando que ele sabotou a carreira dela depois de ter suas investidas sexuais rejeitadas.

10 de maio de 2018

- Georgina Chapman, mulher de Weinstein, dá sua primeira entrevista após o escândalo vir à tona. Ela diz que "nunca" suspeitou do comportamento do marido e se disse "muito ingênua" e "himilhada e devastada" pelas acusações.

- Em entrevista à BBC, o advogado de Weinstein, Benjamin Brafman, diz que as alegações contra seu cliente são "legalmente defeituosas e sem sustentação factual". Ele diz que "algumas das mais fortes críticas de Weinstein simplesmente não estão falando a verdade".

25 de maio de 2018

- Weinstein se entrega à polícia de Nova York. A promotora do caso contra ele, Joan Illuzzi, acusa-o de "usar sua posição, poder e dinheiro" para colocar jovens mulheres em situações nas quais ele podia assediá-las e violentá-las. A denúncia contra o produtor, quando formalizada, será o primeiro indiciamento contra ele.