Direitos da mulher

A menina de 13 anos que conseguiu impedir seu próprio casamento

08/03/2018 20h31

A Índia continua sendo o país com maior número de casamentos de meninas menores de 18 anos, mesmo tendo uma legislação que proíbe esse tipo de matrimônio.

Mas casos como o de Monika demonstram que a situação pode estar mudando: ainda que de forma lenta, as vozes dessas garotas começam a ser ouvidas.

A repórter da BBC Naomi  Grimley viajou a Bikaner, no noroeste da Índia, para contar sua história.

Há muitas coisas para fazer na manhã que antecede os casamentos. Em 4 de novembro do ano passado, Monika esperava pela maquiagem. Como manda a tradição, ela deveria colocar o "sari", tradicional vestido indiano.

As joias escolhidas para a ocasião iriam adornar suas orelhas e seu nariz, mas também cobriram seu pescoço. Suas mãos também seriam pintadas com complexos redemoinhos de henna.

Ainda havia muito por fazer, mas poucas horas antes da cerimônia ninguém sabia que a noiva estava se escondendo entre as sombras da casa de sua família. Ela iria fazer uma última ligação telefônica antes de subir ao altar.

Ela não estava ligando para um amigo nem estava tentando checar os últimos preparativos para seu casamento. Nervosa, Monika digitou quatro dígitos: 1098.

Ela era muito jovem para se casar, segundo as leis da Índia. Monika queria impedir seu próprio casamento.

Um marido para Monika

Peter Leng/Neha Sharma
A mãe de Monika diz que a pobreza fez com que a família ficasse sem opções a não ser casar sua filha Imagem: Peter Leng/Neha Sharma

Os registros escolares de Monika indicam que ela tinha 13 anos quando soube que deveria se casar, em setembro de 2017 - seus pais alegam que já tinha completado 17. Nessa região da Índia, a idade das pessoas nem sempre é clara. Em famílias muito pobres, como a de Monika, certidões de nascimento são muito raras.

Em uma manhã de setembro do ano passado, seu pai, Ganesh, levantou-se cedo para levar a cabo uma missão. Quando voltou para casa - em um bairro pobre de Bikaner, noroeste do país -, chamou a garota e sua mãe, Sita, para dar a notícia do casamento.

"Mamãe e papai me disseram que tinham encontrado um homem para mim em Churu (a cerca de 200 km). Disseram que ele era muito amável, educado e que era um operário", lembra Monika.

Quando descreve seu futuro marido, a jovem não demonstra nenhuma emoção: diz que não o conhecia e que seus pais lhe mostraram uma fotografia do rapaz. Ele tinha 22 anos.

Como era obediente, o primeiro instinto da garota foi fazer o que seus pais pediam, mas depois começou a ter dúvidas sobre o matrimônio. "Sentia que eu era muito jovem, que não deveria me casar. Eu queria estudar e ser uma professora", diz.

Ela conta que confrontou seus pais. "Disse a eles que não queria me casar. Eles perguntaram o motivo e eu respondi que uma garota deveria ter mais de 18 anos para se casar".

Para ela, o matrimônio significaria uma vida de isolamento na casa de seu futuro marido, a quatro horas de trem da casa dos pais.

"Eu não poderia brincar ou falar, e teria de cuidar de todas as tarefas domésticas. Minha família me obrigaria a trabalhar, somente trabalhar", diz.
Mas por que os pais de Monika pensaram que era correto casar sua filha, mesmo ela sendo tão jovem?

Um casamento duplo

Na casa da família, é possível observar Ganesh e Sita cuidando de suas cinco filhas. A vida deles não é fácil.

Ganesh ganha 500 rupias por dia (cerca de R$ 24) trabalhando na construção civil, mas os serviços são esporádicos. A mãe e a avó de Monika limpam lixeiras de algumas casas do bairro.

Como muitas vezes ocorre com famílias de origem pobre na Índia, somente as filhas mais velhas recebem algum tipo de educação formal. As opções de estudo para Monika parecem ter desaparecido.

Na casa há muitos móveis empilhados. Entre eles, um baú fechado e uma geladeira ainda na caixa - curiosamente, na casa não há geladeiras funcionando.

Os móveis e eletrodomésticos são parte do dote reunido pelo pai de Monika para o dia de seu casamento. Ganesh acredita que sua maior responsabilidade, como pai, é casar e dar uma vida estável para suas filhas.

A filha mais velha, Rajini, também se casaria em novembro. Seu noivo tinha um irmão, e a família de Monika acreditou que, caso ela se juntasse a ele, poderia haver dois casamentos de uma única vez - para economizar dinheiro.

Mas o que eles planejaram para Monika era ilegal no país. "Sabíamos que era proibido (casamento de uma menor de 18 anos). Nos sentimos mal", diz Ganesh. Para Sita, no entanto, as circunstâncias da vida pobre não deixavam muitas opções. "O que poderíamos fazer?", pergunta, encolhendo os ombros.

Sita também diz que o casamento foi acertado por causa da segurança de Monika. "Quando vamos trabalhar, ficamos preocupados em deixar nossa filha sozinha em casa, pois nosso bairro não é seguro", diz.

Último recurso

Monilka está sentada junto aos pais enquanto eles contam sua história. Eles parecem não guardar rancor do que aconteceu.

"Quando vi minha irmã com roupa de casamento, me dei conta de que eu não queria aquilo. Eu não podia me casar", diz.

Naquele momento, Monika ligou para a "Childline", um número de telefone nacional para ajudar crianças. Ela tinha lido sobre o serviço em livros e se recordou do número: 1098. Quando ela ligou, faltavam apenas algumas horas para seu casamento.

Ela estava com medo, mas era seu último recurso. Quando atenderam o telefone, em Nova Déli, segunda cidade mais importante da Índia, Monika começou a contar sua história. "Vocês podem por favor fazer alguma coisa para impedir meu casamento?", perguntou.

O telefonista anotou seus dados e, segundo Monika, respondeu: "Não se preocupe, estamos a caminho".

É neste momento que uma jovem chamada Preeti Yadav entra na história. Ela trabalha na organização Urmul Trust, que atende aos casos que chegam pela linha de ajuda a crianças. Preeti responde a chamadas em todo momento, de dia e à noite.

Às vezes ela precisa correr contra o relógio, andando com sua moto branca, para evitar o casamento de alguma menina menor de idade. "Nesse caso, tivemos o grande desafio de salvar Monika do casamento em apenas três horas", conta Preeti.

A polícia local chegou à casa de Monika às 17h e advertiu aos convidados de que o casamento não poderia ocorrer por causa da idade da noiva. Mas a família fez pouco caso.

Às 20h, Monika voltou a ligar para Preeti. Seus pais havia mudado o local da cerimônia para a casa de sua avó - eles ainda queriam casá-la.
Duas horas depois, Preeti e a polícia apareceram no lugar. Monika já estava vestida de noiva. Sem dizer uma única palavra, a menina sorriu ao vê-los.

Os convidados começaram a cochichar. Ninguém imaginava quem havia ligado para a polícia.

"Levamos os pais e avós de Monika para um quarto e explicamos que somente a menina sofre com o casamento precoce. Também dissemos que eles poderiam ser punidos pelo delito", disse Preeti.

A polícia obteve uma declaração escrita da família se comprometendo a não casar a garota antes de seus 18 anos. Eles foram avisados de que podem ser presos caso descumpram a regra.

Preeti se vê como uma espécie de irmã mais velha de meninas como Monika e diz ter satisfação em fazer seu trabalho. "Mantenho contato com as garotas para sempre. Me sinto muito orgulhosa de poder ajudá-las a salvar suas vidas e a proteger seus futuros", diz.

Uma lenta mudança

Preeti diz que, só neste ano, viu entre 20 e 25 casos de matrimônio infantil. Essa prática foi proibida em 2006, mas a Índia segue sendo o país com maior número de registros, segundo a Unicef.

"A situação está mudando e a idade média de casamento está aumentando. Antes, estava entre 10 e 11 anos, mas agora está entre 14 e 15", explica Arvind Ojha, líder da organização Urmul Trust.

Enquanto falava com a reportagem da BBC, cem crianças assistiam a uma peça de bonecos sobre uma menina que não queria se casar. "Veja como eles estão envolvidos. A transformação vem com essa participação", diz, apontando para as crianças.

Segundo a Unicef, 12 milhões de meninas são obrigadas a se casar antes de completar 18 anos.

Na última década houve avanços importantes, especialmente no sudeste asiático, tendência que também começou a ser vista na África subsaariana.

No Níger, no entanto, 76% das mulheres do país se casam antes dos 18 anos.

Mas esse não é um problema exclusivo de países pobres ou em desenvolvimento. O casamento infantil também existe na Europa e na América do Norte.

Como no caso de Monika, a pobreza é denominador comum entre praticamente todas as famílias que obrigam as meninas a se casararem cedo. Mas especialistas destacam, contudo, que o problema é uma questão de desigualdade de gênero.

"Isso ocorre porque se acredita que as mulheres valem menos que os homens", diz Lakshmi Sundaram, da organização global Girls, Not Brides (Meninas, Não Noivas, em tradução literal).

As estatísticas apontam que os casos são mais comuns em zonas rurais e entre meninas com níveis baixos de educação. Para Sundaram, as escolas são uma das melhores formas de proteger as crianças.

"Quando uma menina está na escola, há um sentimento na comunidade de que uma aluna precisa terminar seus estudos. Mas logo depois de sair da escola, ela já passa a ser vista como futura esposa e mãe", explica.

O trabalho de líderes religiosos e tribais é também uma chave para acabar com o matrimônio infantil, dizem os especialistas.

O futuro de Monika

Houve uma grande confusão fora da casa de Monika depois que correu pelo bairro a informação de que uma repórter da BBC tinha vindo de Londres para entrevistar a garota.

"É por causa do casamento cancelado?", perguntou um vizinho. Essa balbúrdia dá ideia do quão importante é uma menina indiana denunciar os próprios pais por obrigá-la a se casar precocemente.

Embora alguns se surpreendam, a mãe de Monika está orgulhosa do que sua filha fez. "Sim, me sinto bem a respeito disso", diz Sita. "Realmente gostei do que minha filha fez. A mudança tem de chegar para todos."

Por sua vez, Monika não se arrependeu e gostaria que sua história fosse conhecida.

"Talvez alguma outra menina fique sabendo do meu caso e possa também sair de um casamento infantil. Se ela não conseguir, eu posso ajudá-la", diz.

É surpreendente que meninas como Monika assumam pessoalmente o embate contra o casamento infantil em uma cultura onde suas vozes não são normalmente ouvidas.

Parece impensável que há 10 ou 20 anos não havia esse tipo de resistência. Naquela época, as meninas pareciam mais dóceis e mais difíceis de se voltar contra seus destinos, que eram definidos por uma sociedade patriarcal.

Mas agora parece haver uma real possibilidade de mudança.

Nem tudo está perfeito para Monika. Com nostalgia, ela diz que gostaria de voltar à escola, uma questão que a organização Urmul Trust está tentando solucionar.

Uma infância quase foi perdida. Agora, graças a um ato rebelde de uma adolescente, ela foi recuperada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
EFE
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
BBC
ANSA
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Estadão Conteúdo
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
do UOL
EFE
EFE
Estadão Conteúdo
do UOL
Opiniões

Opiniões

O verbo SER: nenhum ser humano essencialmente bom pode não ser feminista

Eu sou Feminista. Tu és Feminista? Ele é Feminista! Ela não é Feminista?? Nós somos Feministas! Vós sois Feministas? Eles são Feministas! Elas não são Feministas?? Eu não sou Feminista?!? Sou sim, mas sei que preciso ser mais e melhor... Tu és Feminista. Apenas não sabes... Ele não é Feminista? Poderia ser sim, aliás, deveria, ainda que por empatia... Ela é Feminista! E ainda bem que tem consciência de que o é... Nós não somos Feministas? Claro que somos, ainda que disso não falemos o tempo todo... Vós sois Feministas. E fazem muito bem em o ser... Eles não são Feministas? Mas deveriam, pois todos os seres humanos deveriam ser, uns por essência e outros por empatia. E fato é que todos deveriam ser... Elas são Feministas. Sim, são, aliás, feministas convictas. E apesar de toda a ignorante discriminação que sofrem... E você? é ou não é? Sabes afinal o que é ser feminista? Sabes de verdade? Sem preconceitos? Ser feminista é ser simplesmente a favor da igualdade de direitos entre homens e mulheres e a favor do respeito à condição feminina. Ser feminista, portanto, é lutar contra os preconceitos que aprisionam, intimidam e limitam as mulheres nas empresas, nos espaços públicos, nas escolas e nas universidades, nas casas e nas famílias, nos jardins, nas ruas e nas praças da nação e deste mundo, impedindo-as de irem mais longe e de serem mais naturalmente felizes. Ser feminista é lutar pelo reconhecimento dos direitos civis e humanos de todas as mulheres; é lutar para que tais direitos não sejam nem menores e nem menos importantes de que os de quaisquer outros seres humanos. Ser feminista é não aceitar que uma mulher seja morta neste país a cada hora e meia apenas e tão somente porque ela é mulher. Ser feminista é perceber que é um absurdo sermos um dos países do mundo em que há menos mulheres no Legislativo e na cúpula dos Poderes Instituídos do Estado, fatos esses que enfraquecem e desqualificam o ambiente da democracia brasileira. Ser feminista é saber que enquanto não tivermos mulheres ocupando isonomicamente todos os espaços, especialmente os espaços de poder e decisão, que são os espaços em que são tomadas as decisões mais relevantes e impactantes para o presente e para o futuro da nação brasileira e de toda a nossa sociedade, não teremos um país justo, equilibrado, contemporâneo e nem será o nosso país um país melhor. Ser feminista é ter consciência da absoluta e profunda importância da mulher para o desenvolvimento e para o aprimoramento otimizado da humanidade e dos países contemporaneamente. Ser feminista é apenas querer que todas as mulheres possam andar tranquilamente pelas ruas deste país sem correrem o risco de serem assediadas, desrespeitadas, diminuídas, estupradas ou atacadas. Portanto, tenho certeza de que você é feminista, pois nenhum ser humano essencialmente bom pode não ser feminista. Você só não sabia ou não tinha consciência de que era, como eu mesma um dia não tive consciência de que era. Mas isso foi há muitos e muitos anos... Desde então, eu lutei para ser um ser humano melhor e penso que, pelo menos, amadureci e, por decorrência, pude perceber e reconhecer que eu sou Feminista sim e é ótimo assim ser. E, aliás, sempre é tempo para ser e se reconhecer como um ser humano melhor... E você? Não quer ser um ser humano melhor?

Direitos da mulher
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Topo