menu
Topo

Direitos da mulher

Por que algumas mulheres não usaram preto em protesto na entrega do Bafta

Getty Images
Kate Middleton usou verde. Membros da família real não costumam aderir a 'protestos' e 'mensagens políticas' Imagem: Getty Images

da BBC

19/02/2018 08h21

Quase todos os convidados da cerimônia de domingo do Bafta, o prêmio britânico de cinema, em Londres, usaram preto em apoio às campanhas Time's Up e Me Too contra o assédio sexual. Apenas quatro ou cinco pessoas foram vistas com roupas de outras cores. E alguns dos indicados ao prêmio, em vez de levarem maridos e esposas ao evento, surgiram ao lado de ativistas.

Uma das poucas mulheres a não seguir o "traje de protesto" foi a duquesa de Cambridge, Kate Middleton. Ela estava usando um vestido verde-escuro com uma faixa preta.

Bethan Holt, diretora de notícias de moda do jornal britânico The Telegraph, explicou à BBC que faz parte do protocolo da realeza britânica não aderir a protestos e manifestações.

"A família real raramente se envolve em mensagem política, logo talvez não seja tão surpreendente que ela não tenha se juntado às outras mulheres que vestiram preto", afirmou.

Mas será que a escolha por uma tonalidade escura e o uso da discreta faixa preta já seriam sinais de adesão ou simpatia à causa?

Vencedora de prêmio também não usou preto

Getty Images
Frances McDormand disse ter 'dificuldade em cumprir regras', ao explicar o motivo de não usar um vestido todo preto Imagem: Getty Images
Outra mulher que destoou por não usar roupa toda preta foi a atriz Frances McDormand, que venceu o prêmio de Melhor Atriz por sua atuação no filme Três Anúncios para um Crime. Ela recebeu a estatueta com um vestido estampado vermelho e preto.

Apontando para a própria roupa, McDormand disse: "Eu tenho um pouco de dificuldade em cumprir regras".

Ela ressaltou, porém, que apoia o protesto contra o assédio sexual. "Mas quero que saibam que eu sou totalmente solidária às minhas irmãs de preto. Também quero dizer que aprecio uma bem organizada desobediência civil."

Além de render o prêmio a McDormand, o Três Anúncios para um Crime recebeu outros quatro prêmios (incluindo Melhor Filme e Melhor Filme Britânico), se consagrando o grande vencedor da noite.

"Nosso filme é de esperança em vários sentidos, mas também de raiva. E, como temos visto este ano, às vezes a raiva é a única forma de fazer as pessoas ouvirem e mudarem, então estamos entusiasmados que o Bafta tenha reconhecido isso", disse o diretor Martin McDonagh.

Discursos contra assédio e desigualdade

O uso de roupas pretas como forma de protesto contra o assédio foi inaugurado na cerimônia deste ano do Globo de Ouro, quando vencedores do prêmio usaram o discurso de agradecimento para chamar a atenção para o problema.

As campanhas surgiram depois de uma série de acusações de assédio e estupro contra o poderoso produtor cinematográfico americano Harvey Weinstein - ele diz que todas as relações sexuais foram consensuais.

Desde que as denúncias vieram a público, várias personalidades usaram as redes sociais para falar sobre o assunto, algumas detalhando o assédio que sofreram.

A hashtag #MeToo ("eu também", em tradução do inglês) passou a ser adotada por homens e mulheres que já sofreram algum tipo de assédio. E astros de Hollywood lançaram a campanha "Time's Up", (algo como "o tempo acabou") para prestar auxílio jurídico a mulheres vítimas de abuso sexual no trabalho.

A atriz Salma Hayek, que também compartilhou sua experiência pessoal com Weinstein, fez uma brincadeira ao entregar o prêmio Bafta de Melhor Ator.

"Neste importante e histórico ano para as mulheres, eu estou aqui neste palco legendário para celebrar os homens", disse, antes de entregar a estatueta ao ator Gary Oldman por sua atuação em O Destino de Uma Nação.

Do lado de fora do fora do evento, ativistas protestaram contra a primeira-ministra britânica Theresa May.

Alguns deles usavam camisetas com os dizeres "Time's Up Theresa".

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!