Universa

Promoções pré-natalinas tentam tirar comércio da crise na Espanha

Anelise Infante

De Madri para a BBC Brasil

09/12/2008 10h38

Roupa, comida, combustível e até pedágio e entradas de teatro. Tudo entra em liquidação em tempos de crise. A Espanha se prepara para sua pior recessão em 50 anos com promoções para tentar salvar o comércio dos números vermelhos.

Com a taxa de desemprego mais alta da União Européia (11%), as vendas caindo 12% ao mês e previsões pessimistas para 2009, os consumidores estão apertando os cintos, e os empresários respondem com ofertas.

A maior rede têxtil do país, a Zara, de propriedade do 23º homem mais rico do mundo (no ranking da revista Forbes) está apelando para a "promoção das promoções". Camisetas de malha a 0,95 centavos de euro (cerca de R$ 3) nas lojas de outlet.

A rede de supermercados Carrefour reativou o "leve 3 e pague 2" em 200 produtos que apareciam encalhados nos estoques.

Menu por um euro ,/B>
Mas se as grandes cadeias lançam descontos agressivos, o pequeno comércio não fica atrás. O restaurante Dario's de Gijón, no noroeste do país, já se tornou celebridade nacional com o "menu anti-crise".

Famoso por aparecer nos telejornais por esta promoção, o restaurante oferece a cada quinta-feira um cardápio de três pratos, bebida e sobremesa. Tudo por um euro.

Com abertura às 14h, os 49 lugares ficam lotados com filas desde as 9h da manhã. E já é preciso fazer reservas para o dia do desconto, porque chegam até ônibus de excursão para almoçar no local.

"Não ganho dinheiro com esse menu, mas também não perco. Com o preço normal de oito euros estávamos servindo quatro ou cinco refeições por dia", disse à BBC Brasil o dono do restaurante, Dario López.

"Baixamos para cinco euros e passamos para umas 20 (refeições) em média. Agora melhorou muito. Nas quintas-feiras temos até 200 pessoas e muitas voltam em dias normais. Está valendo.", disse.

Expectativas
As expectativas melhoram com a chegada do Natal. Mas apesar da esperança de um reaquecimento do mercado, as lojas continuam vazias e a Confederação Espanhola de Comércio considera a temporada a mais negativa em 12 anos.

Os problemas devem continuar em 2009. Segundo um relatório da FUNCAS (do espanhol Fundación de Cajas de Ahorro, fundação dos bancos de poupança), o pior está por vir.

O relatório prevê um ano de "recessão grave", com índices de desemprego que chegarão aos 18% e deixarão a economia espanhola em sua pior crise desde 1959.

Neste panorama, os setores que não são considerados de primeira necessidade são os que mais malabarismos têm feito para enfrentar a crise.

A Associação de Teatro de Madri criou ofertas de 50% na última hora. Os ingressos que sobrem minutos antes do início dos espetáculos são vendidos com descontos, mas não na bilheteria para evitar especulações.

A maior rede de pizzarias da Espanha, Telepizza, oferece 30% de descontos para pedidos por internet.

Também há ofertas em postos de combustível, operadoras de telefonia, hotéis ou pedágios. Nas estradas do País Basco e da Catalunha, no norte do país, os descontos podem chegar até 75%.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa

Topo