Universa

Um em cada quatro casais no Japão não faz sexo, diz pesquisa

01/04/2008 11h50

Um quarto dos casais japoneses não mantêm relações sexuais, segundo uma pesquisa realizada em 2007 pela Organização Mundial da Saúde e pelo Instituto de Pesquisa Populacional da Universidade Nihon, de Tóquio.

A pesquisa ouviu 9 mil japoneses de 20 a 59 anos de idade, entre abril e julho de 2007, e constatou que 24,9% dos casais não mantêm relações sexuais.

A enquete, a primeira sondagem do gênero já realizada no Japão, revelou também que a freqüência das relações diminui à medida que avança a idade.

Na faixa etária dos 50 anos, 37,3% relataram total abstinência de sexo nos 12 meses anteriores à enquete.

Já entre os casais na faixa dos 20 anos, com até cinco anos de vida conjugal, 42% disseram manter relações ao menos uma vez por semana.

O relatório do levantamento enfatiza a necessidade de refletir sobre "o aspecto fundamental da reprodução, a freqüência das relações sexuais, como um novo problema numa nação com baixa taxa de natalidade".

Abstinência
Uma pesquisa anterior, sobre a freqüência de relações sexuais em âmbito mundial, feita pela fabricante britânica de preservativos Durex, colocou o Japão em último lugar numa lista de 26 países, com a média de 48 relações por ano, quase 3,5 vezes menos do que os líderes, os gregos, com 164.

A Sociedade Japonesa de Sexologia define "falta de sexo" como a condição em que o casal esteja "ao menos um mês sem relações sexuais consensuais (incluindo a prática de carícias, de sexo oral ou de dormir juntos sem roupa) e não haja perspectivas de que elas venham a acontecer em futuro previsível".

De acordo com a mesma entidade, em 80% dos casos a causa é identificável no comportamento do marido.

A conhecida devoção ao trabalho dos japoneses é em geral apontada como a causa principal de sua atitude arredia ao sexo, mas vários estudos indicam também outros fatores, como, é claro, a incompatibilidade entre os casais.

Na visão de alguns especialistas, a tendência no Japão é de o relacionamento homem-mulher ficar reduzido a uma relação consangüínea, como a de mãe e filho ou de irmã e irmão, na qual, mesmo havendo afeto, o sexo é visto quase como algo incestuoso.

Há também casais em que a mulher evita o sexo com receio de que o marido venha a lhe transmitir alguma doença venérea, eventualmente contraída por qualquer relacionamento casual, e só mantém a união por causa dos filhos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa

Topo