menu
Topo

Diversidade


Brunei nega que a lei islâmica criminalize pessoas por identidade sexual

AFP
Sultão do Brunei Hassanal Bolkiah discursa Imagem: AFP

2019-05-10T15:17:02

10/05/2019 15h17

A Sharia não criminaliza as pessoas com base em sua identidade sexual, afirmou o vice-ministro das Relações Exteriores do Sultanato de Brunei nesta sexta-feira ante a ONU, um país que acaba de adotar um código penal que pune a homossexualidade com o apedrejamento.

O novo código penal foi criticado pela ONU e por numerosos governos e ONGs, e várias figuras de entretenimento como George Clooney e Elton John pediram o boicote a nove hotéis de luxo do Sultanato de Brunei.

Nesta sexta-feira, a delegação de Brunei apresentou a situação dos direitos humanos em seu país durante a Revisão Periódica Universal (RPU) ante o Conselho de Direitos Humanos, processo a que todos os países membros da ONU devem ser submetidos a cada cinco anos.

O vice-ministro das Relações Exteriores do Sultanato, Dato Erywan Mohn Yusof, explicou que "o decreto relativo ao código penal da Sharia não criminaliza o status de uma pessoa com base em sua orientação ou crença sexual, nem a vitima".

Questionado sobre essas declarações por diplomatas ocidentais, Yusof explicou que se o "ato é criminalizado é garantir que esses atos sejam limitados ao espaço privado, onde os direitos à privacidade são respeitados, a fim de proteger a religião e a tradição existentes em Brunei".

"Qualquer pessoa que tenha vivido no país ou o tenha visitado pode atestar que a tortura e a crueldade contra indivíduos ou grupos são inexistentes", disse ele.

O sultão deste pequeno Estado rico em hidrocarbonetos na ilha de Bornéu disse no domingo que a moratória sobre a pena capital também se aplica às sentenças de morte por lapidação em caso de homossexualidade ou adultério.

apo/gca/lch/es/al/cn