menu
Topo

Violência contra a mulher


Denúncias de abusos sexuais nas Forças Armadas dos EUA aumentam

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Da AFP

2019-05-02T17:04:43

02/05/2019 17h04

O secretário de Defesa interino, Patrick Shanahan, pediu nesta quinta-feira um maior rigor no combate aos abusos sexuais no Exército dos Estados Unidos, após o Pentágono publicar um relatório que revela uma alta em 2018 em relação aos anos anteriores.

Foram registradas 7.263 denúncias de abusos sexuais contra funcionários (homens e mulheres) do Departamento de Defesa, um crescimento de 13% no número de casos em relação a 2017.

Mas estima-se que o número real de abusos seja o triplo do informado, tendo em conta que apenas uma de cada três vítimas apresenta uma queixa formal.

"Está claro que as agressões e abusos sexuais são desafios persistentes", disse Shanahan.

"Para afirmar sem rodeios, não estamos cumprindo com as metas e expectativas que temos para nós mesmos ou para os demais. Isto é inaceitável", destacou.

O documento indica que não apenas o número, mas também a incidência de abusos sexuais aumentou em 2018, de acordo com um estudo realizado a cada dois anos.

Cerca de 6,2% das mulheres que trabalham no Departamento de Defesa já sofreram abusos ou contatos indesejados em 2018, contra 4,3% registrados dois anos antes, acrescenta o relatório.

Entre os homens, o nível foi mais baixo e seguiu relativamente estável, em 0,7% em 2018, contra 0,6% em 2016.

O problema é mais grave entre os Fuzileiros Navais: cerca de 10,7% das mulheres em serviço informaram terem sofrido agressões sexuais.

No conjunto das Forças Armadas, os abusos sexuais contra homens esteve entre 0,7% e 0,8%.

Shanahan disse que apoiava uma proposta para combater as agressões sexuais como delitos sob responsabilidade da Justiça Militar.