menu
Topo

Violência contra a mulher

Estudo aponta que excisões e mutilações sexuais estão em queda na África

iStock
Prática está significativamente em queda entre crianças de 0 a 14 anos Imagem: iStock

Da AFP, em Paris

07/11/2018 12h28

Ainda generalizadas na África, as excisões e mutilações sexuais estão significativamente em queda entre crianças de 0 a 14 anos, graças às campanhas de conscientização e apesar das disparidades entre os países, aponta um estudo publicado na revista BMJ Global Health.

O estudo baseado em dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) mostra, por um lado, um declínio encorajador nessas práticas mutilantes na África Oriental (-7,3% por ano entre 1995 e 2014).

Veja também

Por outro, a taxa de declínio dessas práticas é mais lenta no Norte da África (-4,4% ao ano entre 1990 e 2015) e na África Ocidental (-3% ao ano entre 1996 e 2017).

E, no Oriente Médio, houve um aumento (+13,7% entre 1997 e 2013). Neste caso, os estudos foram realizados em apenas dois países: Iraque e Iêmen.

Segundo estimativas do Unicef, 200 milhões de mulheres e crianças em todo mundo foram sexualmente mutiladas.

Os números disponíveis mostram que essas práticas são particularmente preocupantes na África e nos países do Oriente Médio, principalmente no Iraque e no Iêmen.

Os estudos também apontam para a existência dessas práticas na Índia, Indonésia, Israel, Malásia, Tailândia e Emirados Árabes Unidos. Devido à migração, regiões como a Europa e as Américas do Norte e do Sul não estão imunes.

Mais de 3 milhões de meninas na África correm risco de mutilação a cada ano.

Em alguns países – Mali, Mauritânia, Gâmbia, Guiné-Bissau, Djibuti e Sudão –, mais de 40% das crianças de 0 a 14 anos são submetidas à mutilação genital a cada ano.

O estudo apela para a manutenção de campanhas, com o objetivo de convencer as populações a abandonarem as práticas com consequências "devastadoras" em termos de saúde sexual e psicológica, assim como de torná-la um importante problema de saúde pública.

O declínio observado é uma boa notícia, mas é preciso cautela: pode haver uma subnotificação por parte de populações em países onde as mutilações são proibidas por medo de punição.

"É crucial que a abordagem puramente estatística seja acompanhada por uma análise precisa das mudanças de atitudes em relação à mutilação genital nesses países", argumenta Naana Otoo-Oyortey, chefe da associação Forward.

Além disso, a faixa etária considerada não inclui o intervalo de 15 a 19 anos, diz a Forward.