menu
Topo

Violência contra a mulher

Weinstein cita "pacto" sexual com Ashley Judd em sua defesa

Eduardo Munoz Alvarez/AFP
Harvey Weinstein chega à corte dos EUA para se declarar inocente da acusação de estupro Imagem: Eduardo Munoz Alvarez/AFP

da AFP, em Los Angeles

19/07/2018 08h26

O produtor Harvey Weinstein solicitou a suspensão do processo por difamação movido contra ele pela atriz Ashley Judd argumentando que entre os dois havia um "pacto" sexual.

A atriz de 50 anos afirma que o outrora influente produtor - denunciado por abuso sexual por centenas de mulheres - arruinou sua carreira porque ela resistiu a seus assédios, convencendo o diretor Peter Jackson a deixá-la de fora do elenco de "O Senhor dos Anéis".

Veja também

Mas a defesa do produtor declara o contrário, recordando que "a demandante alegou ter feito um trato com Weinstein em seu quarto de hotel pelo qual ela se deixaria tocar caso ganhasse um prêmio da Academia em um de seus filmes".

Getty Images
Ashley Judd durante a Marcha das Mulheres, em março Imagem: Getty Images

Segundo a defesa, Ashley Judd admitiu que Weinstein passou então a promover sua carreira como parte do acordo, com audições para todos os papéis possíveis".

Weinstein, destacam seus advogados, tentou obter, inclusive, um papel de protagonista ao lado de Matt Damon em "Gênio Indomável" (Good Will Hunting), que acabou indo para Minnie Driver, nomeada para o Oscar.

Fica claro "a motivação para promover sua carreira, e não para arruiná-la, o que derruba a alegação de difamação da demandante", destacam os advogados, acrescentando que de qualquer forma, o delito já prescreveu.

Judd declarou que o "pacto" ocorreu há 20 anos, quando o produtor a chamou para seu quarto de hotel em Beverly Hills e pediu que fizesse uma massagem ou tomasse um banho com ele. Para poder escapar, explicou, ela fez a proposta.

"De que outra forma poderia escapar rápido sem irritar Harvey Weinstein?!" - declarou a atriz em uma entrevista ao New York Times.

Jackson revelou em dezembro passado que Weinstein liderou na década de 1990 campanhas de difamação contra atrizes que depois o acusaram de assédio e abuso sexual.

"Os argumentos do Sr. Weinstein buscam fugir das consequências de sua conduta desprezível e não apenas carecem de fundamento, mas também são ofensivos", rebateu o porta-voz de Judd em comunicado enviado à AFP.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!