Política

Novo governo dominado por mulheres toma posse na Espanha

Getty Images
Pedro Sánchez (à esquerda, fileira inferior) e parte de sua base de governo majoritariamente feminina Imagem: Getty Images

da AFP, em Madri

07/06/2018 11h53

O governo do socialista Pedro Sánchez, fortemente pró-Europa e o mais feminino da história do país, com 11 mulheres e seis homens, prestou juramento nesta quinta-feira ante o rei Felipe VI.

Mas com apenas 84 deputados de um total de 350 na Câmara Baixa, será o governo mais minoritário em 40 anos de democracia na Espanha, o que antecipa uma governabilidade difícil.

Veja também

A equipe de Sánchez, de 46 anos e sem experiência de governo, também é o mais feminino da União Europeia, à frente da Suécia (12 mulheres e 11 homens).

Seus membros prestaram juramento nesta quinta-feira no Palácio Zarzuela, perante o rei, mas na ausência de símbolos religiosos, como o fez Sánchez, no sábado, sem a Bíblia e o crusifixo, abandonado a tradição.

Ao prestarem juramente, várias das mulheres se referiram de maneira reivindicativa ao "Conselho de ministras e ministros".

A governabilidade do Partido Socialista (PSOE) dependerá, em grande medida, da margem dada pelo Podemos (esquerda radical) e nacionalistas bascos e catalães, que o apoiaram para derrubar na sexta-feira Mariano Rajoy (Partido Popular, direita conservadora) com uma moção de censura.

O líder do Podemos, Pablo Iglesias, lançou uma advertência nesta quinta-feira, declarando que os socialistas "elegeram um governo solitário, desejamos-lhe boa sorte", em referência ao fato de que Sánchez ignorou o pedido da formação de esquerda radical para entrar no Executivo.

O novo Executivo inclui dois veteranos socialistas: a ex-ministra da Cultura Carmen Calvo, agora vice-presidente, e Josep Borrell, ex-presidente do Parlamento Europeu, em Assuntos Exteriores. E uma contratação inesperada: a do juiz basco Fernando Grande-Marlaska, que instruiu em processos contra o ETA, no Interior.

Carmen Calvo também assume o Ministério de Igualdade, uma pasta recuperada por Sánchez em uma Espanha que em 8 de março viveu uma inédita greve de mulheres em defesa de seus direitos.

Sánchez nomeou mulheres para pastas muito importantes: a procuradora antiterrorista Dolores Delgado na Justiça, a porta-voz parlamentar Margarita Robles na Defesa, Magdalena Valerio no Trabalho, Reyes Maroto na Indústria e Isabel Celaá como titular da Educação e porta-voz do Executivo.

Mas, sobretudo, escolheu duas mulheres para comandar a equipe econômica de seu governo, que, segundo prometeu na semana passada, "terá como prioridade cumprir os compromissos europeus", entre eles a redução do déficit público de 3,1% de 2017 para 2,2% em 2018.

A nova ministra da Economia é a tecnocrata Nadia Calviño, até agora diretora-geral de Orçamentos na Comissão Europeia e número dois do comissão alemão Günther Oettinger, com uma experiência de 12 anos em importantes cargos em Bruxelas.

Na Fazenda a titular é María Jesús Montero, que até então desempenhava esse posto no governo regional de Andaluzia. Nos últimos anos esteve a cargo de cumprir os cortes em gasto público ordenados por seu antecessor conservador, Cristóbal Montoro.

Em nome da "estabilidade", Sánchez se comprometeu a governar o restante de 2018 com o orçamento elaborado pelo conservador Partido Popular e pendente de tramitação no Senado.

Entre as medidas-chave destacam-se um aumento de 1% a 3% das pensões mais modestas, aumentos salariais para os funcionários e a efetivação de milhares de interinos da função pública, a menos de um anos das eleições municipais, regionais e europeias, marcadas para maio de 2019.

A equipe de governo inclui na pasta de Ciência, Inovação e Universidades o primeiro astronauta espanhol, Pedro Duque. O número três do PSOE, José Luis Ábalos, por sua vez, assumirá a de Fomento, e o jornalista e escritor Maxim Huerta será titular da de Cultura.

Em meio aos preparativos para o Brexit e enquanto a Itália acaba de empossar o governo eurocético da ultradireitista Liga e do antissistema Movimento 5 Estrelas, o Executivo espanhol tem um caráter pró-Europa marcante.

"Este é um governo decididamente pró-europeu. A Europa é nossa nova pátria", lançou o presidente de governo.

E, além da nomeação de Calviño, elogiada pela Comissão, o ministro das Relações Exteriores será Borrell (de 71 anos), presidente da Eurocâmara entre 2004 e 2007, e flagelo do separatismo catalão.

Borrell, nascido na Catalunha, deverá defender no exterior o relato de unidade da Espanha, após o mandato do governo conservador de Rajoy que, segundo ele, o fez "muito mal" em termos de comunicação com os separatistas.

No dia a dia será outra catalã quem deverá tratar com o governo separatista de Quim Torra: Meritxell Batet, de 45 anos, natural de Barcelona, nomeada ministra de Política Territorial.

Terá a seu favor a recente suspensão da tutela imposta à Catalunha no final de outubro e apoiada pelo PSOE devido à tentativa frustrada de secessão unilateral.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Estadão Conteúdo
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
EFE
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Política
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog Em Desconstrução
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Política
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Topo