menu
Topo

Casa e decoração

Alternativas baratinhas ajudam a deixar a casa mais segura

Do UOL

29/12/2016 07h01

A média de assaltos e furtos em residências na cidade de São Paulo é de 54 ocorrências por dia. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e foram levantados de janeiro a agosto de 2016. Na época das festas, quando as famílias viajam, as casas ficam mais vulneráveis e não custa dar uma "mãozinha" para a sorte e evitar esse problema. O UOL listou 5 formas de tornar seu lar mais um pouco mais seguro sem gastar fortunas.

  • Getty Images

    Vizinhança do bem

    Essa é uma forma simples e barata de deixar a casa um tiquinho mais segura: vai viajar? Combine com os vizinhos para que eles fiquem de olho na sua residência. Na Califórnia, por exemplo, há um sistema chamado "Neighborhood Watch" (em tradução livre, Vizinhança de Olho) onde as pessoas se revezam na observação das casas e chegam, inclusive, a estacionar seus carros na porta do lar ao lado, para parecer que os moradores estão lá.

  • Anna Carolina Negri / Folhapress

    Plantas sentinelas

    Alguns tipos de plantas podem ser usados no auxílio à segurança residencial. Ao plantar árvores e arbustos na calçada, verifique o posicionamento dos vegetais para evitar o fácil acesso ao muro ou a interferência na ação de câmeras e sensores. Há espécies mais "agressivas" com espinhos, como o sansão do campo (Mimosa caesalpineafolia) ou o pingo de ouro (Duranta repens aurea), usadas para formar cercas-vivas e dificultar a entrada de pessoas indesejadas. Leia mais

  • Reprodução/ Manythings.com

    Monitoramento via celular

    Tem um smartphone velhinho em casa? Que tal transformá-lo em uma câmera de vigilância? É isso que promete o aplicativo Manything (manything.com) disponível para iOS ou Android. O app é acionado pela detecção do movimento e além de imagens, grava sons que podem ser acessados em tempo real. O plano básico (grátis) é para um aparelho, mas o sistema pode ser instalado em até cinco celulares (aqui o custo é de US$ 19,99 por mês, o equivalente a R$ 65,75 - cotação do dia 28.dez.2016). A tecnologia vale para aumentar a segurança doméstica, mas pode ser usada para monitorar a atividade diária da casa e ficar de olho nas crianças e animais domésticos.

  • Divulgação

    Campainha supermoderna

    Não, não esperamos que o ladrão vá tocar a campainha, mas não podemos negar que este é o sistema de segurança mais básico da casa: a versão hi-tech desenvolvida pela SkyBell (www.skybell.com) tem uma câmera. Quando o usuário aciona o botão, o dispositivo envia um vídeo em tempo real ao celular (compatível com sistemas Android ou iOS) dos moradores. É possível ver e falar com o visitante estando na residência ou não. O aparelho ainda dispõe de sensor de movimento, visão noturna e pode ser desligado remotamente. A versão 2.0 está à venda na Amazon (www.amazon.com) a partir de R$ 470 (cotação do dia 28.dez.2016) + fretes e taxas.

  • Reprodução/ Xandem.com

    Sensores hi-tech

    A detecção de movimento já não é coisa de filmes como "Missão Impossível". O sistema Xandem (www.xandem.com) é formado por uma rede de pontos que emitem ondas parecidas com as de rádio, que identificam e localizam a movimentação dentro de casa. A engenhoca funciona a partir de sensores instalados no perímetro da residência, geralmente em tomadas, e manda as informações para os celulares dos moradores. O dispositivo é inteligente e descarta movimentos de animais. O custo inicial é de US$ 450 ou pouco menos de R$ 1.500 (cotação do dia 28.dez.2016).