menu
Topo

Conteúdo de Marca

Câncer de mama: aprenda a se cuidar para viver bem

Youse
Outubro Rosa Youse Imagem: Youse

Por Youse

15/10/2018 17h39

Você já deve conhecer o Outubro Rosa. É uma época muito importante para as mulheres de todo mundo, com foco em conscientizar sobre os cuidados em relação ao câncer de mama. A campanha nasceu em 1997, nos EUA, e foi trazida em 2002 ao Brasil pela Femama (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama) e já se tornou parte do nosso calendário.

Mesmo assim, tem muita gente que não gosta nem de falar a palavra (você já deve ter ouvido amigas falando em “C.A” ao invés de câncer). Nada disso! A melhor arma contra a doença é saber se cuidar. Por isso mesmo a gente conversou com o presidente da sede da Sociedade Brasileira de Mastologia em São Paulo, o Dr. João Bosco Ramos Borges, para saber quais são as práticas que realmente ajudam na prevenção do câncer.

Autoexame

A maioria das mulheres já ouviu falar do autoexame: o hábito de apalpar os seios em regiões específicas para perceber se há algum nódulo. Mas a prática, muito incentivada nos anos 70 e 80, já não é recomendada como melhor prevenção. “Quando você faz o autoexame, pode identificar um nódulo já grande, de 1,5 a 2,5 cm. Isso é um diagnóstico tardio”, alerta o Dr. João.

Segundo ele, naquela época era uma solução prática, mas com o avanço da medicina, hoje é muito mais recomendável ir a um especialista. “E nem precisa ser um mastologista. Pode ser o seu ginecologista, médico geral ou até mesmo um hebiatra, que atende mulheres mais jovens”, orienta.

Médicos treinados para apalpar as mamas podem identificar nódulos de 1,0 cm e na mamografia, a mais indicada, é possível encontrar nódulos de 0,3 e 0,4 cm, o que dá chances de um tratamento mais efetivo.

Cuidados antes dos 50 anos

Outra orientação conhecida, de que apenas mulheres mais velhas devem fazer a mamografia, não é nada indicada. “O ideal é que mulheres a partir dos 40 anos façam o exame todo ano”, diz o médico.

Então o ideal para mulheres mais jovens é manter uma rotina médica saudável, visitando todo ano o ginecologista, um clínico geral ou hebiatra.

Exercícios físicos e alimentação

Ter uma vida saudável não evita, mas reduz as chances de que a doença apareça. “Uma pessoa com bom índice de massa corporal, que pratica exercícios físicos regularmente, de 4 a 5 horas por semana, diminui cerca de 40% a chance de desenvolver um câncer”, conta o Dr. João.

Bebidas alcoólicas em excesso também podem afetar o quadro. Mas não é razão para cortar totalmente da sua vida: “Em celebrações, festas casuais, aniversários, até pode, mas nada com exagero”.

Histórico familiar

Existem três tipos de câncer: o esporádico, o hereditário e o familiar. “O esporádico é o mais comum, você não precisa ter casos na família; o hereditário é por causa de uma mutação genética, como foi com a Angelina Jolie. Quem tem, a chance é bem grande de desenvolver um câncer; no familiar, pode haver alguns casos na família, mas não há mutação genética então a pessoa pode ou não desenvolver.”

Ou seja, você não precisa – necessariamente – ter casos na família pra tomar os cuidados certos com a sua saúde.

Menopausa   

A menopausa, um ciclo fisiológico que acontece após a última menstruação, aparece em média entre os 45 e 55 anos. “Nessa fase, o ideal é manter o índice de massa muscular adequado também, principalmente após os 50 anos. Manter uma rotina com o seu geriatra também é ótimo.”

É aquilo: continuar mantendo uma rotina saudável tanto de alimentação e exercícios, quanto visitas periódicas ao médico.

Confira o infográfico:

Este é um conteúdo de autoria de YOUSE e não faz parte do conteúdo jornalístico do UOL.