Universa

"Me incomoda profundamente não saber do que é feita a tal farinata"

Fábio Guinalz /Fotoarena/Folhapress
"Dizer que a farinata é feita de alimentos perto do vencimento é muito genérico", escreve Bela Gil em artigo para o UOL Imagem: Fábio Guinalz /Fotoarena/Folhapress
Bela Gil

Opiniões

A Universa abre espaço para pessoas de diferentes áreas de atuação escreverem sobre comportamento, questões de relacionamento, sexo e outros pontos da vida cotidiana. Os textos de cada um dos autores não refletem, necessariamente, a opinião do UOL.

Colaboração para o UOL

26/10/2017 04h15

Antes de falarmos da proposta do prefeito de São Paulo, João Doria, para o projeto Alimentos para Todos, precisamos entender um pouco o problema da fome no Brasil. Aqui, muitos passam fome não por falta de comida mas, sim, por causa da politicagem. Falta acesso à terra --que, consequentemente, gera uma distribuição menos democrática e demográfica dos alimentos--; falta incentivo aos pequenos produtores e falta vontade de ver o povo de barriga cheia.

O Brasil produz comida para alimentar o seu povo e o de muitos outros países, mas tendo boa parte da sua economia baseada na monocultura de exportação, a concentração de terra nas mãos de poucos e poderosos faz com que a comida não chegue no prato que tem precisa. Hoje os latifúndios dominam metade da área produtiva do país e, só com a outra metade, a agricultura familiar já consegue suprir 75% dos alimentos que chegam à nossa mesa.

A nossa comida vem da terra e o povo precisa do acesso a ela para se alimentar. Então, enquanto poucas pessoas decidirem quem vai comer, quanto comer e o que comer, teremos fome no nosso país.

É triste saber que 1/3 da comida produzida no Brasil vai parar no lixo e que metade do nosso lixo doméstico é composto de resíduo orgânico --ou seja, cascas, talos, sementes e restos de comida que poderiam virar adubo para nutrir plantas que futuramente se tornariam alimentos.

Rosanna Perroti/Divulgação
Biscoito feito com farinata Imagem: Rosanna Perroti/Divulgação
Mas o terceiro setor já se incomodou com essa realidade e criou projetos incríveis de resgate de alimentos que seriam descartados, transformando-os em pratos de comida; venda de frutas, legumes e verduras sem apelo comercial a um preço mais acessível e até mesmo compostagem urbana para transformar resíduo orgânico em adubo. Temos muitas saídas para a fome e o desperdício, acredito que falta mesmo é vontade.

Assim que ouvi falar da farinata da prefeitura de São Paulo, achei o projeto mal articulado para combater a fome e o desperdício de alimentos. Suplementar a alimentação de quem necessita, com uma farinha composta de alimentos que iriam para o lixo --porém, seguros-- me soa muito bom. Mas quando conhecemos os processos e os beneficiários do projeto, entendemos que não é bem assim.

Me incomoda profundamente não saber do que é feita a tal farinata. Isso fere o nosso direito de saber o que estamos comendo.

Dizer que é feita de alimentos perto da data de vencimento é muito genérico e me assusta. Uma coisa é uma farinha como a “multimistura” da doutora Clara Brandão, que já tirou inúmeras crianças da fome e desnutrição com ingredientes bem explícitos e saudáveis, como farelo de arroz, pó de folhas verdes, de sementes e casca de ovo polvilhadas em cima de uma comida de verdade.

Outra coisa é uma mistura liofilizada (processo caríssimo de desidratação dos alimentos) de produtos já industrializados para serem transformados em biscoitos. Viver de biscoito não pode ser saudável para a saúde, cultura e dignidade de ninguém. Quem sai ganhando com isso são as empresas que doam os alimentos para a fabricação da farinata, que deixam de pagar impostos e taxas de coleta de lixo.

Também me incomoda saber que o prefeito barrou a compra de produtos orgânicos e de base agroecológica para a merenda escolar das escolas públicas de São Paulo. A lei entrou em vigor em 2015 mas, desde o primeiro dia do seu mandato, o prefeito João Doria não realizou uma chamada pública para as compras.

Banir os orgânicos, provenientes da agricultura familiar e regional e da merenda escolar e dar espaço a uma farinha fabricada por uma empresa privada, a Plataforma Sinergia, me mostra claramente para quem ele quer que vá o dinheiro. Falta compaixão com o povo do campo para o país sair da miséria e da fome.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Universa

Topo